Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 23 anos - Santos

“Sócrates mudou a minha vida”, conheça a história de Tales Ordakji

Quando o Querô abriu o casting para Sócrates, Tales Ordakji não se animou em participar.

Antes daquela seleção, ele já tinha tentado participar de dois curtas produzidos pelos jovens das Oficinas Querô. Não passou para nenhum deles, apesar de ser finalista em ambos. E, por isso, decidiu que não tentaria uma terceira vez. Mal sabia ele que Sócrates, o filme santista cotado para o Oscar, seria um divisor de águas em sua vida.

Entre outras coisas, o filme projetou seu nome e o fez encontrar sua futura esposa.

Prazer, Tales Ordakji

Nascido em Santos em 1997, Tales Ordakji tem 22 anos e riso fácil. É uma daquelas pessoas com quem a conversa flui naturalmente, seja sobre a carreira que está traçando ou sobre como chocolate quente e ‘marshmallow’ combinam com segundas-feiras chuvosas.

juicysantos.com.br - Tales Ordakji

Em resumo: Tales não tem nada de semelhante com Maicon, sua personagem no longa santista.

“Eu estava mexendo no Facebook e vi que eles abriram uma segunda chamada para os testes. Pensei que talvez fosse a vida me dando outra oportunidade, me inscrevi”.

No primeiro contato com o longa, interpretou Socrátes (personagem que ficou com Christian Malheiros) e, em seguida, leu o texto de Maicon. No total, foram sete testes até que ele fosse oficializado como parte do elenco. Em um deles, inclusive, rolou uma interpretação com Christian.

juicysantos.com.br - Tales Ordakji

Mas a verdade é que não fosse um professor de artes, talvez o ator não estivesse em cartaz nos cinemas do país inteiro após um temporada em festivais pelo mundo. Isso porque, apesar de fazer teatro desde criança, ele estava quase matriculado na faculdade de Direito (para realizar o desejo do pai), quando ouviu um professor dizer exatamente o que ele precisava ouvir naquele momento.

“Ele falou sobre como era importante escolhermos algo que nós amávamos e não o salário dos sonhos. Levou a gente para pesquisar carreiras e eu saí de lá decidido a estudar teatro”.

Em paralelo, Tales fazia aulas no Senac e na Escola de Artes Cênicas Wilson Geraldo. Correria que sempre teve o apoio da mãe e da irmã, mas que ainda não é vista com bons olhos pelo pai.

Existe um Tales antes e depois de Sócrates

Quando assistiu ao primeiro corte do filme, na tela de um notebook, Ordakji e seu companheiro de cena (Christian) choraram de emoção. Ele não se reconheceu. Também foi difícil para a mãe e a irmã, presentes na exibição, enxergarem o doce garoto em um personagem tão sério. De acordo com ele, até mesmo os jornalistas não o reconheceram nas sessões de pré-estreia.

juicysantos.com.br - Tales Ordakji

Não era ele em cena. E ele também não é o mesmo Tales após as quatro semanas de gravação – que aconteceram aqui na região.

“A história do filme é forte e me fez pensar muito sobre a vida. Desde que peguei o roteiro, tenho tentado ajudar mais as pessoas que precisam. Tento conversar e dar atenção sempre, pois sei que isso, muitas vezes, é o que mais falta”.

Para além disso, foi durante as diárias extras que aconteceram após a montagem, Tales conheceu seu grande amor: Cibele Gonçalves. Ela foi cobrir a ausência de uma assistente de direção que não pode ir nessas diárias e, dois meses depois, começaram a sair. Em 2020, eles vão casar.

Além do casamento, que ainda não tem data para acontecer, o ator está galgando seu espaço nos teatros de São Paulo e está no elenco da terceira temporada de Rotas do Ódio, série brasileira produzida pela Universal.