Flávia Saad
Texto porFlávia Saad
37 anos - Santos (SP)

5 fatores urbanos que atrapalham a vida de um deficiente visual

  • 49
    Shares

(para ler ouvindo Música Urbana, do Capital Inicial)

Bater a cara no poste, pisar no cocô dos dogs ou ficar esperando 10 minutos para atravessar a rua é uma realidade que grande parte dos cegos que transitam sozinhos por aí enfrentam quase todos os dias. E eu me incluo nela.

Afinal, não temos os superpoderes do Demolidor, aquele personagem dos quadrinhos e da série da Netflix que anda com a máscara preta e a bengala vermelha pelas ruas de Nova Iorque.

Cada cidade tem seus problemas de acessibilidade, mas nesse artigo eu vou falar sobre as principais questões que aparecem em nossa frente e não “vemos. ”

www.juicysantos.com.br - homem andando rapidamente em muro grafitado

De um lado, há o cego que passa por maus bocados. Do outro, há você que, possivelmente, não tem convivência conosco, mas tem a curiosidade de entender o que acontece em nosso cotidiano. Aposto que depois de ler, sua visão mudará da água para o vinho.

Como funciona o processo de mobilidade para pessoas com deficiência visual?

Vamos destrinchar a jornada de uma pessoa com deficiência visual para andar pelas ruas sozinha.

Tudo começa com a permissão dos pais super protetores que permitem a saída do casulo, mas chorando em posição fetal – ou isso ocorre de forma mais rebelde e imposta como aconteceu comigo.

Depois, em alguns casos existem aqueles que fazem aulas de OM, (orientação e mobilidade) e alguns que vão sem medo. Desses dois jeitos, não existe uma preparação para o que está por vir.

Independente da forma que essa parte da vida tenha início, existem fatores que nos apavoram nos becos e vielas.

Vou mostrar 5 fatores urbanos que atrapalham a vida de um deficiente visual a seguir:

1. Os cachorros não têm culpa

Claro que não dá para saber se quem fez cocô ali naquele cantinho da calçada no qual rodamos a bengala foi algum pet de rua ou o seu cãozinho, mas tem várias pessoas que não levam a sacolinha para catar as fezes e nós literalmente ficamos na merda. Já briguei com uma amiga por isso, inclusive.

2. Olha o ônibus!

Quando você resolver ajudar um cego a pegar um ônibus e precisar sair se o seu transporte chegar primeiro, avise, pois saberemos que iremos ter de pedir auxílio a outra pessoa.

3. Não deduza nada

Esses dias, me sentei no banco do ônibus ao lado de uma senhora, e ela me perguntou se eu iria para o Lar das Moças Cegas, então educadamente respondi que não. Moral: não é porque somos cegos que precisamos estar a todo momento em uma instituição para pessoas com deficiência. O que me levou a entender melhor esse questionamento foi o fato de ela ser uma “senhora”.

Leia também
Acessibilidade em Santos: como anda a questão?
Natália: mãe, professora, pós-graduada e deficiente auditiva

4. As famosas botoeiras

Aqui em Santos especificamente há algumas destas belezinhas pela cidade, porém a distância entre elas é enorme, muitas não funcionam e alguns indivíduos não têm bom senso, portanto passam no sinal vermelho. Eu não confio.

www.juicysantos.com.br - botoeira para deficientes visuais

5. Buracos em obras

A sinalização nesse tipo de lugar é muito importante para não ocorrerem acidentes graves, como foi o caso da professora de uma escola em São Vicente que estava andando na rua, caiu no buraco da Sabesp, e não ganhou a causa.

Como dá pra perceber, há algumas atitudes que você tem como mudar, e outras questões são parte de ações maiores do poder público e do empresariado local para melhorar a acessibilidade urbana para deficientes visuais.

Estou de olho, hein?

Por Mariana Romano Rocha, jornalista, youtuber e deficiente visual