Juicy Santos
Texto porJuicy Santos
Santos

O crossfiteiro bolsonarista entra no bar…

O crossfiteiro bolsonarista não hesita: escolhe a camisa regata preta, com o rosto do presidente estampado em sombras brancas e a frase de campanha escrita acima da cabeça vazia de ideias decentes. Antes de sair de casa, perde algum tempo em frente ao espelho. Fica admirado com os braços grandes de tanto carregar pneu, esboça um sorriso ao ver o peitoral marcado no tecido, elogia a escápula avantajada.

Não que tenha interesse em se masturbar diante da própria imagem, mas vê ali uma beleza que atrai as mulheres frequentadoras assíduas de academias cheirando a suor e gases de batata doce e frango. Suspeita até que um ou outro homossexual lhe dão mole a cada troca de estação, mas se houver folga desses degenerados, pensa, é capaz de
comer um. Na porrada, diga-se.

www.juicysantos.com.br - o crossfiteiro bolsonarista

Quando entra no bar, o crossfiteiro bolsonarista percebe olhares assustados. Anseia por críticas à sua camisa, quer gritar a favor da nova política e humilhar esquerdistas nojentos, pensa que pensa. Na mesa com os amigos, estranhamente ninguém puxa assuntos sobre notícias dos últimos meses.

Tampouco contestam sua opção por tomar um suco de guaraná com açaí na garrafa de plástico. Seu treinamento lhe proíbe ingerir bebidas alcoólicas. Não pode pensar em interromper o crescimento dos riscos no corpo.

Entediado, suspira a cada papo envolvendo futebol, cerveja, problemas com o trabalho e agruras da vida adulta. Ninguém fala em porte de armas, conversas secretas do ministro com o procurador, condenação do sapo barbudo, ditadura gayzista derrotada a cada live de quinta-feira. Não é possível que os amigos de longa data não se interessem pela moralização do cinema nacional ou pelas correntes que o crossfiteiro bolsonarista encaminha no grupo de WhatsApp.

Ele sabe que os velhos amigos não se interessam por seus treinos e chegam a se preocupar com futuras lesões na coluna e nos joelhos. Também tem ciência de que suplementos alimentares não são atrativos para mesas de botecos. E olha torto quando um dos cervejeiros, ligeiramente embriagado, faz graça sobre o canal no YouTube de
um famoso e bilionário pastor neopentecostal. Com essas coisas não se brinca, alerta.

O crossfiteiro bolsonarista levanta, diz que tem um compromisso inadiável e precisa ir embora. Estranhamente, ninguém esboça um “fica, vai ter bolo”, insistindo para que não se vá. Lembra que no dia seguinte precisa cortar o cabelo no salão de nome em inglês, onde mesas de sinuca e garrafas de uísque valorizam o alto preço para o serviço de tesouras e maquininhas elétricas.

Quando se encaminha para a porta de saída, olha ao redor e percebe um cenário caricato. Sente olhares em sua direção e se questiona sobre a possibilidade estar em um cenário de tentativa de piada malsucedida, com um cronista ridicularizando uma série de comportamentos cafonas da pós-democracia. Besteira, conclui mentalmente.

O crossfiteiro bolsonarista sai do bar, vai para casa, liga o computador e se indigna com a imprensa suja, perseguindo o presidente.

*Leandro Marçal é jornalista e autor dos livros De Letra: O futebol é só um detalhe e No caminho do nada (2ª edição). Escreve crônicas no Tirei da Gaveta

Gostou? Leia outras crônicas de Leandro Marçal

Clarice de Verdade
Animais Descontrolados