Texto porFlávia Saad
42 anos - Santos (SP)

Nova pista de skate pública em Santos faz homenagem a Chorão

Basta falar que você é de Santos para alguém de fora pra perguntarem: “e você vai de skate pros lugares?”. Sim, a cultura do skate, que sempre foi forte na cidade, só ganhou ainda mais fôlego depois de um certo artista que levou o esporte para as massas em seus clipes, álbuns e shows. E, agora, ele empresta seu nome à novíssima pista de skate do Quebra-Mar. Ninguém merece mais essa homenagem do que Chorão.

A Santos Skatepark – Chorão promete ser um divisor de águas da modalidade na região – e no Brasil. Desde que o skate se tornou esporte olímpico, ganhou mais e mais espaço no imaginário coletivo do brasileiro. Conhecer atletas pelo nome e acompanhar os campeonatos virou uma febre entre crianças, jovens e adultos.

Até agora, Santos já tinha vários pontos para a prática de skate, inclusive com aulas e treinamentos.

Com o complexo inaugurado em dezembro de 2023 no Parque Roberto Mario Santini, a cidade do futebol, do tamboréu e do beach tennis agora tem mais essa referência esportiva pra chamar de sua.

www.juicysantos.com.br - pista de skate com nome de chorão Fotos: Francisco Arrais/PMS

Pista de skate do Emissário: todos os detalhes

A pista que leva o nome de Chorão conta com dimensões olímpicas e faz parte de um complexo voltado para a prática do skate com um total de 2.400m², o dobro do espaço que ocupava anteriormente no parque.

O skatepark possui uma pista de street, de 1.220m², e outra de park, com 650m², modalidades integrantes do programa olímpico.

www.juicysantos.com.br - pista de skate com nome de chorão

Uma breve explicação sobre a diferença entre as duas:

  • Uma pista de skate street é feita geralmente de concreto ou asfalto, com obstáculos que simulam objetos encontrados nas ruas, como corrimãos, escadas, bancos e rampas. Favoritas entre os skatistas que praticam o estilo “street”, as pistas possibilitam manobras realizadas em obstáculos urbanos
  • Uma pista de skate park fica em área aberta, geralmente feita de concreto, com obstáculos projetados em formato de transição, como rampas e bowls.

O espaço conta com duas rampas no nível superior e 13 pisos curvos, assim como as rampas de transição para a pista de park, que também integra o complexo esportivo de dimensões olímpicas.

Além disso, tem arquibancada pra galera assistir, com capacidade para 45 espectadores.

E olha que legal: o local abrigará também a Confederação Brasileira da modalidade e o Centro de Treinamento (CT) de alta performance para skate e surfe.

Feras do skate em Santos

A inauguração da pista Chorão rolou em grande estilo. Quem deu os primeiros giros foi a Seleção Brasileira de Skateboarding. Quatro skatistas que disputaram os Jogos Olímpicos de Tóquio – Dora Varella, Yndiara Asp e Pedro Quintas (Park) e Giovanni Vianna (Street), além de nomes como Raicca Ventura, Murilo Peres, Gabryel Aguilar, João Lucas Alves e Lucas Rabelo e atletas da seleção Junior, treinaram no local que, no dia seguinte, recebeu o Campeonato Brasileiro de Street Skateboarding.

A pista recebeu, ainda, atletas do paraskate, como o santista Tony Alves.

Para sempre, Chorão

O vocalista do Charlie Brown Jr. incentivou milhares de jovens a pedir um skate para os pais e ocupar a cidade com um shape e quatro rodinhas.

Vale lembrar que muita gente em Santos começou com as manobras de skate em um empreendimento do próprio Chorão.

Inaugurado em 2005, o Chorão Skate Park ficava próximo ao canal 3, na Rua Almeida de Morais. Além de servir como cenário para clipes da banda, também aconteciam lá aulas de skate gratuitas para crianças de baixa renda. O próprio Chorão costumava praticar por lá, sempre às quartas-feiras. No início, tinha um viés comercial. Porém, com o passar do tempo, os praticantes começaram a utlizar sempre de graça.

A pista tinha todos os obstáculos de streetstyle favoritos de Alexandre Magno: banks, mini ramp, área de street com direito a corrimãos, além de uma loja, lanchonete e um estúdio particular do cantor.

Depois de seu falecimento em 2013, a pista ainda permaneceu aberta por uns anos. Nese meio-tempo, rolou uma campanha para que prefeitura e inciativa privada mantivessem o sonho vivo. No entanto, os proprietários do imóvel tinham outros planos. Em 2016, segundo matéria da Veja SP, o aluguel de R$ 21.000 deixou de ser pago. Fãs inclusive fizeram uma vaquinha para manter as portas abertas, sem sucesso. Até Tico Santa Cruz, do Detonautas, participou da campanha e tomou a frente da iniciativa, de acordo com um artigo da Vice. Mas não teve jeito.

Chorão eterno

Uma ironia bonita e profética do destino: em entrevista à Vice, o fotógrafo, skatista e amigo de Chorão, Tom Leal, deu a seguinte declaração:

“Se fosse para manter o sonho do Chorão vivo, como dizia o slogan da campanha, por que a prefeitura não construiu uma nova pista pública e deu a ela o seu nome?”.

É, dá pra dizer que Chorão estaria orgulhoso…