Texto porVictória Silva
Jornalista, 26 anos - Santos

Nova Bandeirante de Tecidos, há mais de 50 anos na Rua João Pessoa

Uma fachada simples, como se tivesse sido feita à mão.

Em letras garrafais azuis e números vermelhos, exibe o nome da loja e os telefones para contato. Não há qualquer tipo de design, mas as manchas deixadas pelo tempo ajudam a esclarecer, caso o número do fax não seja suficiente: o número 50 da Rua João Pessoa abriga um estabelecimento histórico, no Centro de Santos.

Há 55 anos, Neder Simão Dib Daud está à frente do negócio, uma das poucas lojas de tecidos em Santos que resistiu ao tempo. Inicialmente, a Nova Bandeirante de Tecidos era administrada por ele, seu irmão e cunhado. Com o tempo, apenas o senhor de voz rouca e (poucos) cabelos brancos segue no comércio.

nova bandeirante

“O meu cunhado faleceu e meu irmão se afastou. Agora sou só eu, minha senhora e a minha filha. Ela é advogada, entende tudo de computadores e me ajuda com essa parte”, explica, entre um atendimento e outro.

Apesar de a tecnologia ter sido instalada no estabelecimento –  que aceita todos os cartões de crédito e débito -, o ar dos anos 60 continua forte como sempre foi.

nova bandeirante

No balcão, onde Neder Simão trabalha na maior parte do tempo, estão um telefone de disco, que já foi branco, mas atualmente tem a cor desbotada (como um registro de tantas décadas de trabalho), uma calculadora com botões grandes na mesma cor e um bloco de recibos para preencher a mão.

Leia também:
Salão do Hilário, no Centro Histórico
Farmácia Brasília: uma farmácia vintage na Ponta da Praia

O tamanho e organização também diferem das lojas da atualidade. Os tecidos são separados por tipo e cor, em prateleiras na lateral da loja, o que garante um extenso corredor livre. Não ha peças tumultuadas no meio do caminho. No fundo, existe outra área com mais tecidos expostos da mesma maneira.

nova bandeirante

“Eu tenho muita variedade aqui, acredito que somos a maior loja da região. É difícil alguém chegar e não encontrar o que está procurando”.

Os raros casos em que o cliente volta para casa sem o tecido podem ser explicados por um fator: o tempo. Segundo Simão, as mudanças que a moda teve desde que a loja foi inaugurada são mais difíceis de acompanhar do que a tecnologia em si.

Isso porque os tecidos ganham novos nomes com frequência e, às vezes, fica difícil acompanhar a nomenclatura.

“Eu conheço todo o material que temos aqui. Mas outro dia uma moça veio aqui e eu não sabia o que ela queria. Ela voltou com o pano comprado e eu falei, nós temos esse tecido aqui, mas conheço com outro nome. Ela pagou mais caro na outra loja”, lembra, com um sorriso tímido.

nova bandeirante

Quem passou pela loja no dia que começou a funcionar (ainda na Senador Feijó) ou vai pela primeira vez é atendido da mesma maneira, com sorriso no rosto e atenção total. Quando perguntado sobre o motivo do sucesso no decorrer dos anos e como se sente a respeito disso, ele dá de ombros e diz: “eu acho que, sei lá… eu trabalho da melhor maneira possível dia após dia”.