Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 23 anos - Santos

Saúde mental em Santos: um guia sobre como manter a sua em dia

Como você está se sentindo hoje? Pergunta simples, mas não desimportante.

O coração aperta.

A solidão bate.

Os olhos enchem de lágrimas.

Há uma certa dor em existir.

Parece que o sentimento piora mais ainda ao olhar as redes sociais. Gente bonita, bem-sucedida, viajando pelo mundo e apenas sendo incríveis.

Se parece que você fica preso em uma rotina no piloto automático e o mundo se move em outra velocidade, você não está sozinho.

O primeiro passo para melhorar a saúde mental é falar da saúde mental. E, por isso, o Juicy Santos aproveita o Setembro Amarelo para publicar um guia com informações valiosas sobre como manter a sua – ou ajudar um amigo ou familiar passando por essa situação. Espalhe a mensagem por aí. E lembre de se cuidar – sempre!

www.juicysantos.com.br - saúde mental

A mão amiga do CVV em Santos

Há, atualmente, 95 voluntários do CVV em Santos.

Mensalmente, a equipe, que trabalha 24 horas por dia, se divide para atender cerca de 7.800 ligações vindas de diversas partes do Brasil. No cenário nacional, o número de voluntários chega a 3.100 pessoas e cerca de 9 mil telefonemas todos os dias. Sempre que o telefone toca, de um lado da linha há alguém pensando em encerrar a dor da própria vida.

Em outras palavras, alguém está convencido que o suicídio é o único caminho possível. Do outro lado, uma pessoa está disposta a ouvir, deixar as frases serem finalizadas e dar o apoio necessário sem qualquer julgamento.

As ligações gratuitas salvam vidas. Mas nem todo mundo consegue discar 188.

Trinta segundos

Isso porque, de acordo com pesquisas, 30 segundos dividem o impulso de alguém tirar a própria vida e o ato. Pode parecer pouco tempo para tentar intervir, mas a verdade é que, antes da tomada dessa decisão, as ideias suicidas já estão presentes e podem ser reconhecidas.

“A ideação suicida é resultante de um conjunto de fatores biológicos, psicológicos e sociais adversos. Normalmente, os suicidas apresentam alguns sinais antes de cometerem o ato em si. Não há uma lista segura de sinais, mas podemos considerar a intensidade do sofrimento psicológico e a desesperança, por exemplo, como alertas”, explica Nathália Orquiza Dumbra, psicóloga do Núcleo de Acessibilidade e Apoio Psicopedagógico da São Judas – Unimonte.

Segundo Nathália, as possíveis pistas aparecem com uma mudança repentina de comportamento, isolamento e frases como, por exemplo:

  • “Gostaria de desaparecer”
  • “Quero dormir e nunca mais acordar”
  • “Vou deixá-los em paz”

Ainda de acordo com a profissional, toda e qualquer ação que seja prejudicial à própria pessoa deve ser levada a sério. Tais comportamentos podem estar ligados a quadros de depressão e ansiedade ou ainda a casos de abuso ou violência, história de vida traumática e uso abusivo de drogas.

Atualmente, o suicídio é uma das 10 maiores causas de morte do mundo.

No Brasil, acredita-se que ocorram 32 mortes por suicídio todos os dias. Saber como agir é uma necessidade.

Como cuidar da sua saúde mental em Santos

Quando saúde mental entra em pauta, o imaginário popular costuma permear por dois caminhos: custa caro ou então é coisa de “doido”. Mas a verdade é que ambos são falsos e podem impedir alguém de encontrar ajuda.

“O psicólogo atua auxiliando o indivíduo a encontrar e refletir sobre os motivos que estão causando esses sofrimentos”, explica Nathália.

Se você tem um convênio médico, é um direito seu (assegurado por lei) que ele ofereça psicoterapia, terapeutas ocupacionais e consultas e sessões com psicólogos. Existem algumas restrições quanto à quantidade de sessões. Mas, ainda assim, é um começo e uma saída.

Já para quem não tem convênio, há as consultas particulares ou então os tratamentos oferecidos gratuitamente/com valores amigáveis. Aqui em Santos, os munícipes encontram ambas as opções.

Tratamentos psicológicos na rede pública de Santos

Primeiramente, vamos falar do atendimento totalmente gratuito. O atendimento em saúde mental se estrutura na Rede de Atenção Psicossocial. Os munícipes podem procurar a policlínica mais próxima e fazer o primeiro atendimento nela. Neste primeiro momento, o nível de gravidade será avaliado, e logo em seguida, o tratamento de casos leves de ansiedade, melancolia, tristeza e depressão começa. 

Quando o caso é considerado grave, o paciente é encaminhado aos Caps – Centros de Atenção Psicossocial. Mas o atendimento também acontece se acaso a pessoa for espontaneamente. 

Atualmente, a cidade dispões de nove Caps. Sendo que três são voltados para crianças e adolescentes e os demais, para casos de adultos. É só procurar o mais próximo de você:

Atendimento infanto-juvenil:

Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras drogas Infantojuvenil
Rua Campos Melo, 298, Encruzilhada

Centro de Atenção Psicossocial Infantil da Zona Noroeste
Praça Maria Coelho Lopes, 395, Santa Maria

Centro de Atenção Psicossocial Infantil da Orla
Av. Pinheiro Machado, 769, Campo Grande

Atendimento adulto

Centro de Atenção Psicossocial da Zona Noroeste
Rua Bulcão Viana, 880, Bom Retiro

Centro de Atenção Psicossocial Centro
Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 236, Macuco

Centro de Apoio Psicossocial Praia
Av. Cel. Joaquim Montenegro, 329, Ponta da Praia

Centro de Apoio Psicossocial da Vila
Av. Pinheiro Machado, 718, Marapé

Centro de Apoio Psicossocial Orquidário
Av. Francisco Glicério, 661, José Menino

Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas
Rua Silva Jardim, 354, Macuco
* atende apenas dependentes químicos

Tratamentos psicológicos com valores amigos em Santos

Além das opções oferecidas pela saúde pública, também dá para fazer consultas com valores abaixo do mercado em faculdades. Neste sentido, você pode procurar ajuda na Universidade Católica de Santos ou na Unip. Em ambos os endereços, o atendimento é feito pelos alunos do curso de Psicologia, sob orientação de seus professores.

Na Católica, o atendimento tem valor simbólico – de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 21 horas; e aos sábados, das 8h às 16 horas. Uma coisa legal é que, caso necessário, os usuários recebem encaminhamento para outros terapeutas, através do projeto Profissionais da Região.

Por outro lado, a clínica da Unip é totalmente gratuita. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 8h ao meio-dia e das 14 às 18 horas. Para se inscrever, basta ir ao local com o RG e um comprovante de residência em mãos.

Como ajudar um amigo que dê sinais de pretensão suicida

Sua saúde mental está bem, mas tem um amigo que precisa de ajuda?

De acordo com Nathália, o primeiro passo é acolher e ouvir o que o outro tem a dizer.

“Seja empático. É muito importante conversar com alguém de confiança. Converse abertamente com essa pessoa, sem julgá-la ou tentar diminuir a dor que ela está sentindo. É fundamental demonstrar que estará disponível para ouvi-la quando ela se sentir confortável para conversar. Se você percebeu que a pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Esteja ao lado dela e a incentive a procurar ajuda de um profissional de saúde mental”.

Para que essa conversa flua da melhor maneira possível, você pode aproveitar algumas das dicas compartilhadas pela equipe do CVV:

  • Crie um ambiente confortável e seguro para iniciar a conversa;
  • Mantenha o olhar na pessoa (esqueça o celular por alguns minutos);
  • Não interfira nas pausas e nem complete frases;
  • Não dê opiniões pessoais com exemplos da própria experiência;
  • Não faça comparações do problema dessa pessoa com a de outras;
  • Não simplifique a situação com frases como “isso passa” ou “você supera”;
  • Não responda a possíveis agressões;

Além disso, aproveite essa conversa para tentar mostrar a importância de pedir ajuda a um profissional. Mas, cuidado: não é indicado que o tratamento seja forçado. Então aponte as razões para a pessoa buscar uma das opções de saúde mental em Santos e faça que ela entenda.

Leia também
Por que colocar o autocuidado na sua rotina
A coragem de ser imperfeito

Como ser voluntário do CVV em Santos

Quer se juntar ao CVV em Santos ou em São Vicente e se tornar um voluntário?

Para fazer parte desse time do bem, é necessário ter mais de 18 anos de idade, pelo menos quatro horas disponíveis por semana e vontade de ajudar pessoas. Os interessados devem acessar o site e fazer uma inscrição prévia. Quando o próximo curso for acontecer todas as pessoas que demonstraram interesse são avisadas. Aí basta comparecer ao curso e doar o seu tempo para quem precisa 🙂

Também é possível ser um voluntário-especialista. Nesse caso, o auxílio será baseado nos seus conhecimentos e habilidades próprias, como, por exemplo, na divulgação, captação de recursos ou tecnologias. Se você preferir ajudar assim, entre em contato pelo e-mail: [email protected].