Texto porVictória Silva
Jornalista, 25 anos - Santos

Porto transforma: as mudanças que o porto causou em Santos

Não são apenas sacos e mais sacos de café que fazem a engrenagem do Porto de Santos girar.

A carga, que garantiu a expansão do porto no início do século XX, é, hoje, apenas uma das muitas que passam diariamente pelo maior porto do hemisfério sul. Açúcar, laranja, algodão, adubo, carvão, sucos cítricos, veículos… Toneladas de cargas variadas vêm e vão pela porta de entrada para o Brasil. 

Desde 1892, estima-se que mais de 1 bilhão de toneladas já foram movimentadas.

Para dar vazão a tamanha quantidade de cargas, o porto precisou se transformar. Em 2 de fevereiro de 1892, os primeiros 260 metros de cais construídos foram inaugurados. Atualmente, o Porto de Santos conta com 16 km de extensão de cais e uma área útil total de 7,8 milhões de metros quadrados.

Além das mudanças em sua própria estrutura, o Porto de Santos também impacta diretamente a cidade. Só para ilustrar, as tatuagens chegaram ao Brasil pelo cais do porto e Santos teve o primeiro estúdio do país. O rock n’ roll também chegou primeiro por aqui.

Em resumo, o porto é como Santos se conecta com o mundo

Um sinal de que não estamos exagerando é que, em um dia comum, vários idiomas são falados no porto. Mas, antes do desenvolvimento chegar neste ponto, muitas águas rolaram por esse cais.

Já que não é todo dia que se completa 129 anos, o Juicy Santos revisita a história do Porto de Santos em homenagem ao marco. Também fomos conhecer algumas pessoas que ajudam a escrever essa história.

juicysantos.com.br - porto transforma

Antes de mais nada, a gente precisa dizer: o porto de Santos já existia antes da data de sua inauguração. Braz Cubas, tão importante para a história da cidade, transferiu o porto de São Vicente para as águas do estuário de Santos. Nesta época, a estrutura tinha a finalidade de defender a cidade (que ainda era uma só) contra o ataque de piratas.

Vários anos depois, começou a exportação do café. Consecutivamente, isso gerou uma movimentação econômica gigante e transformações sociais e urbanas na cidade. Quem explica é Sérgio Willians, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Santos.

“Primeiramente, a decisão de Braz Cubas de trazer o Porto da Capitania de São Vicente (que ficava na Ponta da Praia) para junto do Outeiro de Santa Catarina em 1541, foi determinante para elevar o então povoado de Enguaguaçu à categoria de vila (do Porto de Santos)”.

Ainda de acordo com ele, o porto serviu como a mola propulsora do desenvolvimento desta parte da Ilha de São Vicente. Que, mais tarde, se tornaria Santos, também graças às ações de Brás Cubas.

A partir do século XIX, uma nova perspectiva de crescimento surgiu a partir da exportação do café. Mais uma vez, Santos ganhou com isso. Neste ponto você, provavelmente, sabe que a construção dos canais só aconteceu por causa do projeto de saneamento que foi necessário por conta deste crescimento, né?

O porto se transforma e também transforma pessoas

Antes da cidade mudar, no entanto, foi necessário transformar o próprio porto.

E as mudanças foram tão grandes que dá pra dizer que a história da engenharia portuária no Brasil começou em Santos. Aliás, esse foi o primeiro projeto do país e, na época, considerado impossível de se realizar.

E saiu do papel.

Por conta da nova estrutura, a usina hidrelétrica de Itatinga teve de ser construída. A inauguração aconteceu em m 1910 e tanto o porto quanto a região passaram a ser abastecidos por ela.

Desde então, transformações acontecem o tempo todo no porto. Modernizações, aplicações das instalações e adaptação para novas tecnologias.

Tantas mudanças impactam diretamente na vida da população da região. Só para ilustrar, em 1873, a população santista tinha cerca de 9.151 habitantes. O número se multiplicou algumas vezes após a inauguração do porto. Em 1913, já eram 99.967 santistas. Ou seja, aumentou 10 vezes em 40 anos.

“Cabe dizer que, pelo Porto de Santos, chegaram praticamente todos os imigrantes que ajudaram a construir o Brasil. Também foi aqui que desembarcou toda sorte tecnológica, que só fez o país se desenvolver e se tornar um gigante importante”, lembra Willians.

Contamos essas e outras histórias sobre o porto em vídeo e você confere assistindo aqui:

Uma força de 30 mil

Além dos novos moradores, a cidade também ganhou empregos e maior renda.

Desde 2008, quando dizia que queria dirigir grandes veículos, Rita Pavoni de Castro ouviu muitos nãos na vida. Um dos seus grandes sonhos era trabalhar no porto.

Ouviu o tão desejado sim e hoje atua como operadora de carreta, fazendo o embarque e desembarque de contêineres. E, no seu dia a dia, realiza um grande trabalho em equipe.

“Tenho uma enorme gratidão e trabalho feliz, porque faço parte de um mundo em que cada função junta traz resultados.. Como mulher, me sinto orgulhosa e acolhida na comunidade dos trabalhadores do porto”, conta.

Essa grande “família” tem hoje, segundo dados da Santos Port Authority (SPA), cerca de 30 mil pessoas!

www.juicysantos.com.br - porto de santos faz aniversário em 2 de fevereiro

Rubens Vera Pelegrino e João Vera Pelegrino, pai e filho, compartilham a mesma sensação de gratidão e amor pelo porto.

Operador de RTG e vistoriador operacional de celulose, respectivamente, eles se orgulham de, diariamente, fazer parte dessa rotina e da força que move o maior porto da América Latina.

*Este conteúdo chegou a você pela DP World