Texto porVictória Silva
Jornalista, 25 anos - Santos

Em tempos de pandemia, nem o amor e o tesão são como antes

Gente, conta pra mim: como manter o crush interessado nesse período de quarentena?

O post de Mariana (nome fictício) foi feito no início de março. Na época, o isolamento social ainda era voluntário. Mas, mesmo assim, o questionamento deu o que falar. Foram mais de 100 comentários de pessoas que também estavam preocupadas com seus relacionamentos amorosos (ou nem tanto) nas semanas que estavam por vir.

www.juicysantos.com.br - amor e quarentena do coronavírus

Um mês depois e sem perspectiva de volta ao cenário normal, o Juicy Santos se questionou:

Como é viver o amor e o tesão na época da pandemia?

No post da Mari, as sugestões eram variadas. Algumas pessoas juravam de pés juntos: é impossível, se o @ não te esquecer vai dar namoro quando a vida voltar ao normal. E outras sugeriam nudes, sexting e ressuscitar a até então esquecida webcam.

Antes de virar namoro ou dar um jeito no tesão online, uma coisa é certa. As conversas aumentaram. Mari, por exemplo, largou mão do @ com quem estava preocupada menos de 10 dias depois de se questionar como mantê-lo interessado.

“Conversamos mais do que o habitual antes de sair. E eu acabei percebendo que o date seria uma perca de tempo. Ele era um completo babaca. Daqueles que compartilham fake news, querem ensinar o que é feminismo e refutam ciência com opinião, sabe? Bastou uma conversinha a mais para ele mostrar quem era”.

E ela não é a única. De acordo com uma pesquisa feito pelo aplicativo Happn, 56% dos usuários brasileiros acreditam que a atual situação permitiu conversar por mais tempo. E, consequentemente, conhecer melhor o seu crush.

A possibilidade de trocar mais ideias pode levar a dois cenários: um aumento do vínculo afetivo ou então o distanciamento total. E ambos os casos precisam de uma solução para o tesão.

Relacionamentos em tempo de quarentena

Juliana (nome fictício) já estava com um encontro marcado com um rapaz que conheceu em um aplicativo. Como são de cidades diferentes, o date precisou ser adiado por tempo indeterminado. Mas o cara estava disposto a vir de São Paulo a Santos para encontra-la, ou seja, já rolou muita conversa e há de fato interesse.

Ela salvou o post da Mariana nos seus favoritos. E está usando as dicas que não serviram para sua amiga.

“Tem sido difícil, não vou negar”, comenta. “Eu nunca tinha mandado nudes e nada desse tipo, mas decidi me aventurar, sabe? Pedi dicas para umas amigas e confesso que tem sido divertido”.

Para Carol Sanseverino, dona da loja online Sob Sigilo (e que compartilhou várias dicas de sexo aqui no Juicy), a experiência de Juliana está se repetindo em várias casas. A quarentena, de acordo com ela, é um momento de redescoberta do tesão e de como lidar com ele.

Ela conta que as vendas do sex shop tiveram um aumento considerável. Além disso, o perfil exclusivo para mulheres tem recebido várias perguntas de “sigilosas” nesse sentido de redescoberta.

“Nesse momento, recorrer ao bom e velho sexting é a melhor opção para manter o relacionamento quente e não deixar de se divertir”, aconselha.

O que sexting e como praticá-lo

Se você é como a Ju e sempre deixou tesão e redes de wi-fi separados, talvez esse seja o momento de experimentar essa união. E isso pode ser mais simples do que você imagina, tá? Você pode começar com uma mensagem contando sobre o seu desejo do momento, por exemplo, ou então falar como está lidando com o seu prazer.

www.juicysantos.com.br - dois homens se relacionam por meio de aplicativo por causa da quarentena do coronavírus

Se houver segurança para ir mais longe, vale mandar nudes, gravar alguns vídeos ou até fazer uma chamada de vídeo.

“As pessoas têm muitos desejos e fantasias que ficam guardados por vergonha. Às vezes esse é o momento de libertar isso. Só tem uma telinha ali e vai demorar para encontrar a pessoa. O importante é você estar confortável e curtir a sensação”, comenta Carol.

Seja você o seu tipo

No fim das contas, o post da Mari ajudou Juliana mas não foi útil para ela.

Com a desistência do crush e o isolamento social, ela desinstalou os aplicativos de paquera e está dando um tempo “sabático” de homens, como define. Mas o tesão não se importa com isso e ela está aproveitando a quarentena para conhecer o corpo e descobrir seu próprio prazer. Uma jornada que, segundo a própria, tem deixado os dias mais leves e a ajudado a não surtar.

www.juicysantos.com.br - sexo e amor na quarentena do coronavírus

“Quem está totalmente sozinho também tem um relacionamento para manter: o com si próprio. Eu acredito que esse é o mais divertido. É o momento de perder a vergonha de se tocar e se descobrir”, comenta a Carol.

Ainda segundo ela, experiências como a que a Mari está vivendo são boas a longo prazo e vão trazer resultados até mesmo quando a quarentena acabar. Já que ela estará conhecendo seu corpo e seu prazer como nunca antes.

Cada um de um jeito

Quem está solteiro provavelmente sente falta de contato físico. Mas a quarentena (ou “carentena”, como ouvimos por aí!) também provoca efeitos diferentes em cada pessoa.

Se, por um lado, o autoamor vira uma forma de relaxar e tentar esquecer um pouco do que está acontecendo lá fora, existe também quem não veja a luz no fim do túnel. Desesperança, pessimismo e até sintomas de depressão afastam toda e qualquer vontade de se masturbar ou até mesmo de se relacionar virtualmente com os crushes.

Tem, ainda, quem desista dos matches temporariamente, já que não vai poder mesmo passar do aplicativo para o date real.

Casados e isolados

Também há os casos de quem está isolado com o parceiro em casa.

E essa é, talvez, a situação mais complicada. Se os dois estão trabalhando de casa, há questões como o espaço e o barulho que precisam ser respeitadas e podem causar atrito. Quando o horário comercial termina, é importante que o relacionamento não caia na mesmice.

Precisamos falar sobre a saúde dos relacionamentos nessa quarentena.

www.juicysantos.com.br - amor e sexo na quarentena

Para isso, há casais que optam por realizar fantasias antigas e também trazer novidades para o isolamento.

Por outro lado, a rotina do isolamento pode levar ao cansaço do casal.

Na China, por exemplo, o número de divórcios após a quarentena bateu recorde em várias cidades.

Em alguns distritos, TODOS os horários para tratar do tema nos escritórios locais do governo estão tomados por semanas.

Então se você não sentir tanto tesão assim, não se culpe. Também acontece e está tudo bem.

Tesão não, tensão

Como nem de sexo se vive, existe aqui um outro lado do isolamento: a necessidade de viver em isolamento com um agressor é uma delas. Por conta dessa infeliz possibilidade, os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) estão fazendo plantão para atendimento de casos de violência doméstica.

O serviço é realizado por telefone (no 3223-4079 ou 3216-1213). Além disso, as vitimas podem, a partir de agora, registrar boletim de ocorrência pela internet.

“Muitas vezes, desavenças ou outras questões já existentes podem aflorar nesse momento. Por isso, é importante que as mulheres saibam que os serviços de proteção estão funcionando”, comenta Diná Ferreira, titular da Coordenadoria de Políticas para Mulher.

O atendimento presencial está funcionando normalmente na Delegacia da Mulher 🙂