Texto porVictória Silva
Jornalista, 25 anos - Santos

Fim da meia-entrada: o que está sendo discutido atualmente

  • 2
    Shares

Em 2019, o tema da redação do ENEM foi a democratização do acesso ao cinema no Brasil.

Nesta semana, o Ministério da Economia apoiou o fim do benefício da meia-entrada para eventos culturais. Que incluem, entre outras coisas, peças de teatro, cinema e shows. O posicionamento tem dividido opiniões, principalmente porque, de acordo com dados da Agência Nacional do Cinema (Ancine), 80% dos ingressos de cinema vendidos em todo o país ano passado foram meia-entrada.

Então o que significaria o fim da meia-entrada?

As estimativas da Ancine são que quase metade da população brasileira – cerca de 96,6 milhões – se enquadra nas leis de benefício da meia-entrada do Governo Federal. Que além dos estudantes, também inclui:

  • Idosos;
  • Jovens de baixa renda;
  • Portadores de deficiências.

juicysantos.com.br - fim da meia-entradaImagem: Reprodução /Unsplash

Além disso, ainda existem benefícios estaduais e municipais que variam pelo país.

Então, para quase 100 milhões de brasileiros, pagar meia facilita e democratiza o acesso a atividades culturais como cinemas, shows e teatro. Em uma fase formativa da vida, como a escola ou na faculdade, aumentar o repertório com esse contato com a cultura significa um ganho incrível na bagagem intelectual e senso crítico.

De acordo com o parecer do Ministério da Economia, o que acontece é que a meia-entrada faz o valor dos ingressos aumentar. Ou seja, se o valor normal seria R$ 20, os empreendimentos aumentam para não ficaram no prejuízo com a meia.

E como fica o fim do vale refeição e outros direitos trabalhistas? Entenda!

“(…) como consequência, os grupos que dela fazem uso (da meia entrada) são iludidos, pois praticamente não usufruem de benefício algum”, diz o texto.

Já a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (ABRAPE) considera que a extinção do benefício corrigiria uma injustiça histórica. Isso porque, segundo a associação, essa é uma intervenção que toma 50% da receita de alguns setores sem compensação.

“Além disso, há distorções que impactam ainda mais o setor de cultura e entretenimento, como as falhas na verificação das carteiras de estudante, que acabam por estimular fraudes”, explica Doreni Caramori Júnior, empresário e presidente da associação.

Apesar do posicionamento do Ministério da Economia, o fim da meia-entrada ainda é apenas uma possibilidade sondada pelo governo. Você é a favor ou contra e por qual motivo?