06/12/2017 Por Ludmilla Rossi Novidades da cidade

Cidadania Portuguesa em Santos

Eu não sei você, mas nos últimos dois anos vi várias pessoas da minha timelinda anunciando que estavam de mudança para Portugal. Desde brasileiros que querem mudar radicalmente de vida até brasileiros que já moravam em outros países Europeus e decidiram mudar para a terra dos pastéis de nata.

Especialmente aqui em Santos a gente tem uma abundância de parentesco com portugal. Muitos de nós tem avós e bisavós de origem portuguesa o que é essencial para solicitar e desembaraçar a CIDADANIA PORTUGUESA.

E fazer tudo isso partindo aqui de Santos é muito melhor, não? Se essa ideia já passou pela sua cabeça, nesse post a gente vai esclarecer quem tem direito à Cidadania Portuguesa e quais documentos podem ser necessários para correr atrás desse direto.

Quem tem direito à Cidadania Portuguesa?

  • Filhos de cidadãos portugueses
  • Netos, cônjuges e companheiros dos cidadãos portugueses
  • Descendentes de judeus sefarditas portugueses
  • Cidadãos nascidos nas ex-colônias portuguesas que perderam a nacionalidade

Quais são os benefícios de obter a nacionalidade?

Mesmo quem não pensa em morar na Europa deveria prestar atenção na obtenção da nacionalidade. Primeiro porque a gente nunca sabe o dia de amanhã e cada vez mais surgem oportunidades em todos os cantos do mundo.

Além disso, viajar com o passaporte europeu é sinônimo de menos burocracia e mais receptividade para circular pelo mundo. Alguns países, como os EUA e Canadá não exigem visto para entrar se você for um cidadão europeu.

Mas a maioria das pessoas solicitam a cidadania para morar e trabalhar em portugal ou nos 28 países da União Européia. E são algumas dessas histórias que a gente quer compartilhar aqui no Juicy Santos.

“Nunca fui tão feliz em minha vida. Sinto que esperei 40 anos pra viver tudo isso”.

Liana Daiha é multitarefas. E um ano para cá, ainda mais multifeliz. Publicitária, designer de interiores e designer de bolsas vivia no Brasil em Salvador de sua especialidade em design de interiores. E teve sua vida transformada quando tomaram uma decisão em família de viver em Portugal – por conta do mestrado do marido.

liana-barros-coimbra

Hoje Liana mora em Coimbra, que é muito além de sua moradia. Coimbra é também seu trabalho.
“Aqui em Coimbra trabalho com marketing digital e sou social media no meu projeto Viva Coimbra. Faço também alguns freelas para o Brasil de ambas as minhas áreas de formação. Além de ser dona de casa em tempo quase integral – faxino, cozinho, lavo e passo. Nunca contratei qualquer ajuda pois isso faz parte do ‘perder as regalias’ pra ganhar tantas outras coisas em troca”.

Liana tem 41 anos e 1 filho. Ela e o marido já tinham planos de morar fora – já fazendo uma poupança pra isso há muito anos – mas a ideia de Portugal só se delineou em 2015. Os três saíram do Brasil em agosto de 2016, depois de passar um ano planejando a mudança de vida.

Planejaram cada passo: moradia, estudo, trabalho, saúde e todos os detalhes burocráticos – que são muitos – mas que valem cada segundo. A família buscava “uma vida com menos, mas com mais qualidade e segurança”.

O mestrado esposo de Liana veio como ponte para o alcance desse sonho – o mestrado na UC sempre foi um atrativo, mas virou foco mesmo só quando perceberam que através disso poderam imigrar. “Abrimos mão de muitos luxos e regalias que tínhamos no Brasil para ter uma vida mais simples mas que nos proporciona coisas que no Brasil não sonhávamos em ter. Coisas que agora eu julgo como verdadeiros luxos”.

Eles ainda não tem a cidadania portuguesa definitiva, mas o visto de estudante até obter o tempo mínimo necessário de permanência – e então ter direito à cidadania. Liana define a adaptação como “maravilhosa”.

“Como desejávamos isso há muito tempo, não tivemos a menor dificuldade por estarmos abertos ao novo, às diferenças. Tivemos também o apoio e incentivo de um primo que veio um ano antes. Ver a felicidade dele e da família foi um fator mega motivador. Nosso filho também se adaptou muito rápido à rotina diferente, à escola e as diferenças no sotaque e expressões.”

Liana em CoimbraLiana dá as seguinte dicas:

“Em primeiro lugar, sonhar.
Em segundo lugar, planejar economicamente. Vir sem contrato de trabalho e sem um lastro financeiro é uma aventura desaconselhável. É preciso vir legalmente, com estrutura econômica.
Em terceiro, conhecer o lugar onde pretende viver. Vir às cegas pode ser uma ótima aventura para um jovem mochileiro ou estudante universitário. Mas se você já tem uma família como eu, se tem filhos, precisa saber que mudar de país e deixar pra trás uma vida não é simples. Tem que pesquisar muito, ler, se informar. Nós viemos conhecer tudo da cidade meses antes de vir de vez. Não conseguiria vir sem saber em que terreno pisaria.
Em quarto: é necessário também fazer um trabalho de desapego: eu vendi 80% de tudo que tinha, guardei pouquíssimas coisas com meus pais e vim com marido, filho e nossa vida em 8 malas. Vir sabendo que não precisa de tudo que tem.
Em quinto: praticar também o desapego emocional. Estar ciente de que consegue viver longe dos pais, família, amigos. Vejo muitos brasileiros que não se entregam à experiência porque não conseguem se desapegar dos que ficaram no Brasil”.

Como principal motivo de tanta felicidade, Liana destaca a segurança e o luxo das coisas simples. Como andar a pé, de transporte público, usar celular na rua, não ter medo de ser assaltada. Também ter o filho estudando numa escola pública de super qualidade sem gastar um centavo, poder viajar a preços irrisórios, ter acesso à saúde, cultura e lazer o tempo inteiro. E ser apenas mais uma na multidão. “Aqui somos todos iguais e não há aquela corrida para ser melhor ou mais. E estar livre dessa corrida, dessas comparações e dos olhares julgadores é uma benção”.

“Queremos serviços públicos de qualidade e com preços acessíveis -saúde, educação, transportes. Mas principalmente a segurança”.

O casal Marcus Vinicius Souza e Juliana Souza, ambos prestes a completar 4 décadas de vida – também tomaram a decisão de mudar para Lisboa em 2018. Vinicius trabalha com turismo, em uma das agências mais tradicionais da cidade, a Vasco da Gama Turismo. Já a Juliana é advogada aqui no Brasil, justamente trabalhando com os processos da cidadania portuguesa. Depois de ajudar tanta gente a ir para a Europa – seja como turista ou residente – eles decidiram que fariam o mesmo

Vinicius e Juliana Souza

Assim como Liana, o casal está planejando a mudança há um tempo. “Estou indo primeiro para Portugal no início de 2018, para resolver tudo o que é necessário para a família (aluguel, escola do filho, médico de família, contatos profissionais e etc). A Juliana e meu filho irão 1 ou 2 meses depois”, conta Vinicius.

As expectativas são muitas, principalmente por conta da qualidade de vida e a uma adaptação tranquila.

No caso do Vinícius, seus avós eram portugueses e ele conta como está o processo da obtenção da cidadania portuguesa da família: “Meus avós eram portugueses e meu pai providenciou minha nacionalidade portuguesa desde que eu era criança. Estive há 6 meses atrás em Portugal e providenciei a do meu filho em apenas 1 dia. A certidão dele chegou após 1 semana na casa de meus parentes de lá. Como estou casado há 5 anos com a Juliana, providenciaremos o pedido de cidadania dela ao chegar”.

Profissionalmente o Vinicius continuará trabalhando com turismo. E a Juliana irá pedir equivalência de seu diploma em Portugal para exercer sua profissão por lá. Esse é outro processo no qual ela já tem muita experiência, inclusive auxiliando muitos brasileiros. Após seu diploma sair em Portugal, ela continuará na missão de facilitar a vida dos cidadãos brasileiros que estão em processo de obtenção da cidadania portuguesa.

Sobre as saudades de Santos, ele finaliza: “Até porque, caso a gente queira matar a saudades da nossa terra, dos familiares e amigos, estaremos a apenas 9 horas de viagem”.

As dicas do casal Souza são:
“Sonhe, pesquise e planeje. Fazendo desta forma, ouvindo e conhecendo outras experiências e como as coisas funcionam por lá, ajudará bastante na sua adaptação e realização de seu sonho. Uma das tarefas iniciais, é saber se tens direito à ter a nacionalidade portuguesa, que ajuda muito. Caso não tenha como conseguir, poderá obter visto de residência, mas para isso e demais assuntos, o ideal é contratar uma assessoria para ajudar. Afinal de contas, você não está mudando apenas de endereço – mas sim para outro país, com cultura e costumes diferentes”, finaliza.

Por onde começar

Fazer essa mudança pode ser simples, mas não é algo que acontece de um dia para o outro. E geralmente essas decisões mais longas precisam começar de algum lugar. O primeiro passo é se informar sobre seus direitos, quais documentos você precisará e traçar um plano de vida mesmo.

Durante o processo da cidadania pode precisar de alguns desses documentos abaixo

  • Cidadania prévia
  • Averbação de casamentos e divórcios
  • Busca de certidões
  • Reagrupamento familiar e visto de residência
  • Validação de diplomas
  • Visto de aposentado ou investidor

Se você quiser economizar tempo e energia, existem algumas empresas aqui em Santos para ajudar nesse processo. Uma delas, a Guedes & Souza tem escritório aqui em Santos e em Lisboa para facilitar o andamento dos processos.

O escritório da Guedes & Souza fica na Rua Martin Afonso 24 – cj 13, no Centro de Santos.
O contato direto é o site, o cel (13) 99706-1013 ou pelo e-mail.
Aproveite para seguir a G&S no Facebook.