Texto porFlávia Saad
Santos (SP)

Trânsito em Santos: como melhorar esse problema da cidade com a ajuda da tecnologia?

Se locomover em Santos é um tanto quanto desafiador, a gente sabe. Aqui tem quase um carro a cada 2 moradores. Estamos entre as cidades mais verticalizadas do país. E isso se reflete nas vias pesadamente ocupadas por carros e uma percepção de que o trânsito em Santos é horrível. Se a gente for levar em conta os períodos de férias e temporada de verão, isso fica ainda mais evidente. E não é só isso: o transporte de cargas que vêm e vão no Porto de Santos contribuem para esse alto volume de tráfego, em especial na entrada de Santos.

No podcast do Juicy Santos, já falamos sobre como mobilidade é uma das formas como a gente existe na cidade (o episódio completo está no fim desta matéria). E mobilidade não é só rua e avenida ou transporte (público ou privado) motorizado, né? É calçada para quem anda a pé e ciclovia para quem se desloca assim.

Há muita gente escolhendo vir pra cá ou ficar aqui por conta das vantagens de uma cidade plana. Mas será que elas encontram aqui essa facilidade de locomoção? Para quem já mora aqui há tempos, o trânsito se tornou motivo de reclamação há anos e anos.

www.juicysantos.com.br - trânsito em santos

Inovação dá uma “mãozinha” pra melhorar o trânsito em Santos

De acordo com o Ranking Connected Smart Cities 2023, Santos (SP) é uma das 10 cidades mais inteligentes e conectadas do Brasil. O município está na 8ª melhor colocação no ranking geral, liderando no eixo Urbanismo. Em Mobilidade, está em 9º lugar. Então, faz bastante sentido ligar a tecnologia e a inovação para a melhoria da cidade com essa necessidade de fluência nas ruas e avenidas do município.

Em maio de 2024, a Prefeitura de Santos anunciou duas iniciativas que visam melhorar esse problema crônico não só da nossa cidade, mas de tantas outras de médio e grande porte.

A primeira delas parte de uma reivindicação antiga do santista: a sincronização completa dos 438 semáforos da cidade. Até setembro, 100% dos equipamentos estarão sincronizados e utilizando uma tecnologia automatizada de gestão do trânsito.

www.juicysantos.com.br - trânsito em santos Foto: Carlos Nogueira

Os novos modelos se ligam Centro de Controle Operacional (CCO), permitindo controlar o trânsito à distância e ajustar os sinais em tempo real.

O sistema de controle semafórico instalado há 20 anos funcionava via cabeamento telefônico. Agora, usa tecnologia celular.

Waze vai informar o que está acontecendo nas ruas de Santos

A outra novidade surge de uma parceria entre a Administração Municipal, o Waze for Cities e o Google Cloud.

Esse “braço” do Waze dá visibilidade para o CCO sobre o que acontece no trânsito de Santos.

Os usuários logados no Waze registram as informações, como acidente na pista, buracos, alagamentos, semáforos com problema, carros parados, etc, e ele envia diretamente para o CCO. Isso agiliza a tomada de decisão e as soluções para fazer fluir o tráfego.

Santos é uma das sete cidades do Brasil a implementar a tecnologia Waze para trabalhar dados de mobilidade. Essas informações incluem dados históricos que vão até 2018.

www.juicysantos.com.br - trânsito em santos

Santistas podem ajudar a melhorar o trânsito de Santos

Quanto mais gente ligar o Waze quando estiver dirigindo em Santos, mais dinâmica será a resposta aos problemas de trânsito na cidade. Esses recursos funcionam de maneira mais assertiva quanto mais dados disponíveis.

No dia 27 de maio, quando anunciou a parceria, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) indicou que mais de 1.400 motoristas em circulação em Santos estavam conectados no aplicativo e espalhados pelas ruas de Santos.

Por isso, se você também quer fazer a sua parte, use o app e notifique sobre intercorrências nas vias.

Passou em um buraco? Notifique no Waze.

Viu uma árvore caída? Avise no Waze.

Acidente em frente à sua casa? Acione o Waze.

Santos virou uma mini-São Paulo?

Gosta do tema mobilidade? Então assista a esse episódio do podcast do Juicy Santos com a presença do arquiteto, urbanista e professor Maurício Azenha.