Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 23 anos - Santos

Resgatar um pet da rua: primeiros cuidados necessários

Quem nunca viu um cão ou gato perambulando pelas ruas? Infelizmente, essa é uma cena cotidiana na maioria das cidades brasileiras. E, por isso, a prática de resgatar um pet da rua no lugar de pagar por um companheiro tem se tornado cada vez maior.

Caso você seja uma dessas pessoas que se apaixonam por todos os cachorrinhos e gatos que encontra no caminho para casa ou faculdade, por exemplo, leia essa matéria com atenção. Afinal, nunca se sabe quando o bichinho que te seguiu vai ser convidado a entrar, né?

Então é melhor estar preparado para quando o momento de resgatar um pet da rua chegar.

Resgatar um pet da rua: cuidados necessários

www.juicysantos.com.br - Resgatar um pet da ruaImagem: Xuan Nguyen para Unsplash

De acordo com o IBGE, o Brasil tem a segunda maior país com população de cães do mundo. Notavelmente, ao todo, são 52 milhões de animais. Mas acredita-se que cerca de 10% estão abandonados. A boa notícia é que o número de animais resgatados da rua tem aumentado.

E, agora, você vai saber o que fazer se decidir resgatar um pet da rua.

Primeiramente, observe o comportamento do animal e não force uma aproximação caso ele aparente estar assustado ou com medo. Também verifique se o pet possui algum tipo de identificação e, se tiver, entre em contato com o tutor.

Caso não, leve-o a um médico veterinário de confiança. Afinal, é necessário fazer uma avaliação do estado de saúde do animal. Se não for possível levá-lo imediatamente após o resgate, forneça alimento e água e observe se o pet tem algum tipo de trauma no corpo.

Segundo Marcio Barboza, gerente técnico Pet MSD Saúde Animal, em um primeiro momento o animal não deve ser integrado aos outros pets da casa, para evitar o contágio de doenças ou de parasitas externos, como pulgas e carrapatos, comuns em animais que vivem na rua.

“É importante que o tutor tenha muito cuidado com a transmissão desses parasitas, já que podem passar uma série de doenças – inclusive aos humanos”, afirma o especialista.

Também é importante tomar cuidado no transporte. Isso porque, muitas vezes, os cães e gatos de rua são vítimas de maus tratos. Por isso, podem se mostrar ariscos e pouco amigáveis para entrar em um carro, por exemplo. É importante que o seu tempo seja respeitado. Não o force e tente ganhar a sua confiança com a ajuda de petiscos.

Outros cuidados necessários

Depois que o seu novo companheiro já estiver instalado, outros cuidados são necessários:

  • Vacinas: alinhe com o veterinário o calendário de vacinação do animal;
  • Vermifugação: o veterinário deve indicar qual o melhor vermífugo a ser administrado no animal;
  • Castração: o indicado é que seja castrado para evitar crias indesejadas e ajudar no controle populacional;
  • Proteção de longa duração: o combate a pulgas e carrapatos não deve ser feito apenas no momento do resgate, é um cuidado constante;
  • Cuidados com a alimentação: faça a transição da alimentação gradual em um primeiro momento;
  • Banho: confirme com o veterinário quais produtos usar e qual deve ser a frequência de banho.

Dito isso, tire muitas fotos com os seu novo bichinho e o encha de amor 😉