Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 25 anos - Santos

Tomie Ohtake e o monumento do Emissário Submarino

Um sucinto movimento vermelho na primeira praia da cidade. A cor, emoldurada pelos claros tons do mar, simboliza a bandeira do Japão.

Desde 2008, o monumento do Emissário Submarino encanta santistas, visitantes das praias de São Vicente e turistas que chegam por aqui nos cruzeiros. 

Emissário Submarino em Santos

A escultura não tem um nome oficial, assim como todas as outras assinadas pela artista plástica Tomie Ohtake, mas em nossos imaginários ganhou idealizações para a forma e diversos nomes.

Seus 15 metros de altura são mais que um dos cartões postais da cidade. Mostram a homogeneidade da nossa região, que recebeu os primeiros japoneses de braços abertos. Mesmo sendo uma estrutura de aço na cor vermelha, que contrasta com o mar, ela evoca uma leveza sem igual, como uma fita que se move junto ao vento.

O site Novo Milênio, em reprodução do Diário Oficial de Santos, relata que ela explicou: “Nenhum trabalho meu tem nome. Prefiro que cada pessoa busque a sua interpretação”, ressaltando que ela deverá ser instalada apontando para o mar, de modo a permitir a visão tanto para quem está em Santos como também para quem estiver em São Vicente”.

Ainda mais leve era a alma de Tomie. Os que puderam conviver ou estar com a artista em algum momento costumam dizer que os 101 anos não pareciam pesar.

Uma pneumonia levou Tomie ao Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde estava internada desde o dia 2 de fevereiro. Apesar de reagir bem ao tratamento, a artista sofreu uma parada cardíaca e após dois dias na UTI, não resistiu. Faleceu no dia 12 de fevereiro de 2015.

Brasil, Japão e todos os amantes da arte celebram a genialidade da artista em forma de despedida. Nós, santistas, continuaremos a admirar sua obra e criar nomes, como ela queria que fosse feito.

Sobre Tomie Ohtake

Tomie-Ohtake-IMG_9252-235

Considerada a “Dama das artes plásticas brasileiras”, Tomie Ohatake nasceu em Quioto, Japão. No Brasil desde os 23 anos, ganhou espaço no coração dos brasileiros assim como pelas ruas de São Paulo, onde suas mais diversificadas obras estão espalhadas.