Texto porWagner Alcântara

Maradona em Santos. E no Santos, com as bênçãos de Pelé

  • 4
    Shares

A Santos dos anos 90 foi de Maradona. Por alguns dias, mas foi. E por pouco não foram muitos esses dias. Semanas, anos. Por pouco e não teríamos El Pibe naturalizado caiçara.

Quem sabe Maradona hoje seria parceiro de Jorge Sampaoli no futevôlei na Praia do Gonzaga. Ou com o conterrâneo estaria por aí a conduzir uma magrela pelas ciclovias da cidade.

Não é ficção não. É história.

www.juicysantos.com.br - maradona no santos

Aquela vez em que quase tivemos Maradona em Santos

Em 1995, o craque quase fechou um contrato para vestir a 10 do Santos Futebol Clube. Não pense que isso magoaria Pelé, tampouco os aficionados pelo Rei. Foi o próprio Pelé, por meio de sua empresa de marketing esportivo, quem articulou a vinda de Maradona para o Peixe.

Pelé era do grupo político do então presidente do clube, Samir Jorge Abdul-Hak. Também era próximo do craque argentino, que na época cumpria suspensão por ter sido pego no antidoping da Copa do Mundo de 1994 (uma história até hoje mal explicada. Maradona voava naquele mundial).

A ideia era que Dieguito se integrasse à Vila Belmiro tão logo terminasse a suspensão.

Bom, não deu certo. Maradona abriu mão do pão de cará santista para ficar com las medias lunas portenhas. Preferiu retornar ao futebol pelo Boca Juniors, clube com o qual tem forte identificação. Sorte de los hinchas de La Bombonera, azar dos alvinegros de Urbano Caldeira.

E Maradona voltou

Só que Maradona sentiu saudades. Três anos depois, em 1998, convidado por Serginho Chulapa, desfilou no pré-Carnaval santista. Mas sobre isso, a gente conversa outra hora.

Por enquanto, fica uma dica: conhecer Maradona pelo olhar do cineasta sérvio Emir Kusturica, num documentário de 2008 que leva o nome de ambos: Maradona, por Kusturica. Além de obra prima audiovisual, nos apresenta uma figura humana ímpar.

*A coluna Santos90, dedicada a resgatar a memória da cidade e da região na década mais divertida do século XX, tem autoria de Wagner de Alcântara Aragão, em colaboração para o Juicy Santos.