Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 23 anos - Santos

Conheça o projeto Árvore Surf

Você vai ao mercado e compra os itens que estão numa listinha de papel.

Coloca tudo em sacolinhas plásticas e leva para casa.

Ao utilizar as mercadorias, descarta as embalagens ou cascas, coloca em sacos pretos ou na sacolinha do mercado mesmo e leva para fora no dia da coleta sanitária.

Mas onde é esse “fora”? Para onde vai o seu lixo?

A cidade de Santos, sozinha, produz, em média, 380 toneladas de lixo POR DIA. Esse montante é despejado no Aterro Sítio das Neves, na Área Continental da cidade. Para você, isso é jogar fora?

Essa questão complexa do descarte de lixo gera discussões em todo o mundo.

Afinal, o sistema produz e nós consumimos. E a tendência é que isso seja a cada dia pior, se ninguém começar a se mover.

Árvore Surf

Muita gente por aí está tentando encontrar soluções para o problema. Feiras de troca de livros, objetos e roupas, cafés conserto e bazares são a cada dia mais comuns e ajudam – pelo menos um pouquinho – a amenizar o problema do consumo.

Em 2013, uima turma de santistas engajados nessa ideia deu vida ao projeto Árvore Surf.

“A proposta é trabalhar o meio ambiente na analogia do surfe. Hoje a gente trabalha com isso, artes e os esportes”, explica o fundador, Rafael Palmieri.

Red_Wiggler_Worms_In_Compost_Imagem: Setor Reciclagem

A ideia é levar às pessoas a essência do surf, ou seja, o contato respeitoso com a natureza.

Para isso, vários projetos são feitos paralelamente. Um dos mais legais é o compartilhamento de conhecimentos sobre permacultura.

Isso acontece por meio de publicações do Semente Semanal, palestras em empresas e oficinas para quem quer conhecer o universo da compostagem.

“Trazemos o conhecimento e abrimos para diálogos. A intenção é que as pessoas comecem a se questionar e concluam sozinhas a importância disso”, esclarece Andréia Previato.

Jardins comestíveis e distribuição de sementes também fazem parte das iniciativas do Árvore Surf.

As ações, apesar de super necessárias, acontecem pouco aqui em Santos 🙁

Segundo Palmieri, a maior parte dos trabalhos é feitos no Litoral Norte e no interior de São Paulo, e o motivo disso está na falta de oportunidade que a gente dá para projetos nascidos por aqui.

“Não tem jeito, infelizmente temos que crescer de fora para dentro”.

Compostagem

A compostagem é um processo de transformação que pode ser executado com parte do nosso lixo doméstico. O resultado? Um excelente adubo para ser utilizado em hortas, vasos de plantas, jardins ou espaços que você tenha disponível.

Este é um dos métodos mais antigos de reciclagem, que imita os processos da natureza para melhora a terra.

“Muitas vezes, quando a gente fala em compostagem, as pessoas pensam que é um bicho de sete cabeças, que vai dar bichos ou deixar cheiro forte, mas não é assim”, explica Andréia.

Mas, segundo ela, dá pra ter uma composteira em qualquer ambiente.

“Eu tenho no meu apartamento, e ele é bem pequeno”.

Ficou curioso para conhecer o processo? Então entre em contato com eles para saber como fazer uma palestra na sua empresa ou uma oficina no condomínio, por meio do site, das redes sociais ou dos e-mails  [email protected] e [email protected].

Essa é uma ótima ideia para os restaurantes da região, que acabam descartando bastante lixo orgânico #FicaADica 😉