Flávia Saad
Texto porFlávia Saad
39 anos - Santos (SP)

Testei o vibrador controlado por aplicativo com meu crush do Tinder

  • 1
    Share

Eu, mulher solteira, estou vivendo o que se convencionou chamar de carentena.

O pau tá comendo no mundo lá fora. Mas, aqui dentro da minha casa, não tem pau e ninguém tá me comendo.

É o seguinte: fiquei solteira em novembro, ao terminar um relacionamento de 18 anos. Depois de uns 4 meses de bastante introspecção, comecei, aos poucos, a voltar pro jogo. O que, acredite, não está sendo das coisas mais fáceis. Afinal de contas, da última vez em que eu estive sozinha, ainda existiam as Torres Gêmeas e as pessoas ouviam fitas K7 no aparelho de som 3 em 1.

Como disse um crush que arrumei durante o isolamento, eu fui direto do chat do UOL para o Tinder.

E, assim, caí de paraquedas nesse mundo de aplicativos e afins. Só que nem deu muito tempo de entender como acontece a dinâmica deles.

Tive 1 mês de encontros que conseguiram transpor a barreira do celular pro bar e VRAU. Pandemia mode on.

www.juicysantos.com.br - como funciona o vibrador controlado por aplicativo do celular

Isso é muito Black Mirror

Iniciada a quarentena, não nos restava mais nada, a não ser tentar aplacar a solidão (e os desejos) olhando pra telinha preta. Precisei me familiarizar com alguns conceitos novos, tipo sexting e nudes. E, gente, que loucura.

Se a situação do Brasil de 2020 mais parece um episódio de Black Mirror, imagina a da mulher hétero solteira…

Enfim, coloquei o dedo pra jogo (no bom sentido) e comecei o arrasta-pra-direita-arrasta-pra-esquerda. Chato. As conversas não desenrolam. Me dou por satisfeita quando, bebendo uma cerveja sozinha, troco 3 ou 4 mensagens com alguém que me reconheceu como “a mina do Juicy”, antes de cair de sono mais uma vez. Faço algumas conexões que duram por alguns dias, vão para o Whatsapp e, finalmente, se perdem pelos laços frágeis e as incertezas de um cenário meio apocalíptico em que ninguém sabe quando será possível abraçar, beijar ou transar com alguém de novo.

Sinto falta não só de um toque ou do sexo em si, mas também de companhia. Preciso falar merda e dar risada com alguém que não seja uma criança de 7 anos.

Memes e sexting

No feriado de 1º de maio, lá estava eu, tomando vinho rosé, quando dei match com Renato*. Ele me mandou um gif do Jimmy Fallon (amo!), eu respondi com um meme e o resto é história. Virou um delírio gostoso de quarentena, como a gente mesmo definiu certa vez.

www.juicysantos.com.br - vibrador à distância na quarentenaIlustra: @cantadasprogressistas

A aproximação aconteceu suave e naturalmente. Ajudou o fato de termos alguns amigos em comum e trabalharmos em áreas afins. Gostamos de sons parecidos. De uns filmes maneiros. Das mesmas comidas. Em algumas horas de conversa, chego à conclusão de que, se a gente se esbarrasse pelas ruas de Santos numa sexta-feira à noite, o match rolaria igualmente. Levaria, talvez, a algumas saídas regadas por cerveja bem gelada e playlists safadas.

Mas há uma gripezinha entre nós.

No nosso primeiro “date”, já madrugada adentro, depois de trocarmos algumas fotos e áudios impróprios para menores, topei entrar com ele em uma chamada de vídeo e rolou um “final feliz”. *risos*

Sim, é isso que você está pensando. Cada um na sua casa, tendo prazer sozinho. Uma, duas, três, várias vezes. Ao longo de um mês inteiro.

Até que eu ganhei um vibrador controlado por aplicativo do celular.

Isso é muito Black Mirror – pt. 2

O vibrador em questão é o Pink, da Sob Sigilo.

www.juicysantos.com.br - vibrador aplicativo de celular

Segundo a descrição no site:

Sabe aquele vibrador que você pode pode usar sozinha e, quando quiser, convidar alguém a distância pra intensificar seu autoamor? (…) Conheça os Segredos do Pink, o vibrador controlado por APLICATIVO 

Seu tamanho proporciona uma vasta estimulação na vulva: clitóris, grandes e pequenos lábios, vagina… Ótimo para masturbação.

Se você possui um relacionamento a distância ou a pessoa está viajando, vocês podem usar a imaginação e brincar como se ela estivesse ali, mas na verdade ela estará controlando por padrões personalizados… sensacional!

Achei bacana que o Pink serve também como um vibrador convencional, com 7 modos diferentes de vibração. É recarregável via USB, à prova d’água e feito com silicone médico. Ou seja, o custo-benefício fica bem bom – mesmo que seja seu primeiro vibrador.

Logo que a encomenda chegou, mandei uma foto do vibra pro Renato. A resposta foi : “Sempre quis testar um negócio desses”. Então só vem…

As preliminares em tempos de quarentena são diferentes. Passamos uns dois dias inteiros falando sobre experimentar o “brinquedo” novo.

Até que, finalmente, partimos pra brincadeira.

Como usar o vibrador controlado por aplicativo à distância

Esse modelo de vibrador que funciona à distância utiliza um aplicativo, o Magic Motion. Com ele, as duas partes se comunicam.

O app gera um número de convite que pode ser enviado por Whatsapp ou até e-mail para quem vai controlar o vibrador. Inserir o código dá acesso ao vibrador. O toy reproduz, em tempo real, o movimento dos dedos do parceirx.

www.juicysantos.com.br - como funciona o aplicativo para controlar vibrador à distância

Em outro bairro da cidade, no touch screen da tela de celular, Renato controlava o tipo e a intensidade da vibração. E eu gemia aqui. Enquanto isso, a gente se via na chamada de vídeo. Confesso que essa prática, ainda que nova e inusitada, me excita e agrada. Só que há uma dificuldade inerte em segurar celular (use tripé ou um apoio!), vibrador e a emoção ao mesmo tempo.

Para ter uma experiência mais personalizada com o vibrador controlado por aplicativo, é preciso usar o chat do próprio aplicativo (que oferece mensagens, áudios e a própria manipulação do vibrador).

Chegamos os dois ao orgasmo meio que ao mesmo tempo, com uma ajudinha da tecnologia.

Encurtamos a distância, por alguns momentos. Esquecemos de pandemia, de cloroquina, de cotidiano. A conexão ia além do vibrador; estava na vontade de ficar juntos, nem que fosse de longe.

Espero que não demore muito pra que a gente possa fazer isso pessoalmente.

*nome fictício pra preservar a identidade do crush