Luiz Gomes Otero
Texto porLuiz Gomes Otero

Os 70 anos de Rita Lee

Rita Lee, nossa eterna estrela mutante, a rainha do rock nacional, completou 70 anos no final de 2017.

É claro que não poderíamos deixar passar essa data em branco.

Mas, ao invés de escrever algumas linhas sobre a importância de sua obra musical, optei por relembrar alguns momentos marcantes de sua carreira, por meio de suas canções.

rita1

Mamãe Natureza (1974)

Canção que se tornou hit do terceiro disco de sua carreira solo, no momento em que começava a alçar voos mais altos. Aqui, Rita se liberta do período em que esteve nos Mutantes, entre os anos 60 e início dos anos 70, trilhando um caminho seguro como artista individual.

Ovelha Negra (1975)

Canção autobiográfica que se tornou um dos maiores clássicos do rock nacional. Fez parte do álbum Fruto Proibido, o primeiro citando a banda Tutti Frutti na capa (os caras já haviam tocado com ela no álbum anterior). Seja pela genialidade e irreverência da letra, seja pelo arranjo e solo antológico de guitarra de Luis Carlini, esta canção se tornou um marco na carreira de Rita.

Agora Só Falta Você (1975)

Mais uma do álbum Fruto Proibido, a música até hoje levanta os fãs em shows ao vivo de Rita. Esta foi hit duas vezes – anos mais tarde, por volta de 2000, ganhou um novo público por conta do álbum acústico MTV. A gravação original de estúdio confirma a genialidade de Luis Carlini na guitarra.

Jardins da Babilônia (1978)

Canção do disco Babilônia, com um riff marcante de guitarra (mais uma vez de Luis Carlini) e os trabalhos de teclado de Roberto de Carvalho, futuro marido de Rita, que passou a integrar a banda Tutti Frutti. A inspiração e o rock fluíam em um mesmo caminho para Rita.

Mania de Você (1979)

Balada de seu disco de 1979, o primeiro sem a banda Tutti Frutti, com o competente músico Roberto de Carvalho como parceiro e responsável pela produção. Esta canção foi outro marco na carreira de Rita.

Lança Perfume (1980)

Aqui, com este hit do álbum de 1980, Rita se torna uma estrela ainda maior. Atinge em cheio o gosto do público do pop nacional. As rádios tocaram demais este e os outros hits naquela época. A coroa foi definitivamente colocada na cabeça da rainha do rock.

Saúde (1981)

Esta é do disco homônimo, que marca um momento de transição de Rita. O rock ainda estava lá, mas ela passou a apostar também nas propostas de arranjo com teclados eletrônicos, capitaneados de forma genial por Roberto de Carvalho. Um momento sensacional da carreira da cantora.

On The Rocks (1983)

Canção do disco Bombom,  prova que o rock ainda predominava em sua carreira, com a mesma irreverência do início nos anos 60.

Vírus do Amor (1985)

Canção do álbum Rita e Roberto, de 1985 (um de meus preferidos, por sinal), apresenta um ponto alto da dupla de Rita com seu fiel parceiro e arranjador musical.

Perto do Fogo (1990)

Feita em parceria com Cazuza, ganhou destaque em 1990 porque Rita soube captar bem a emoção da poesia do compositor e deu um toque hippie para essa balada de tom saudosista.

Erva Venenosa (2000)

Regravação de um hit da época da Jovem Guarda lançada pelo grupo Golden Boys. Acabou se tornando novamente um sucesso na voz da rainha do rock, incluída no álbum 3001.

I Want to Hold Your Hand (2001)

Em 2001, Rita concretiza um sonho: gravar um disco com canções dos Beatles, sua fonte permanente de inspiração musical. E é claro que o resultado ficou acima da média.

Reza (2012)

Canção que deu título ao seu álbum de 2012, por enquanto, o último gravado em estúdio antes de anunciar a sua aposentadoria dos shows ao vivo. Esperamos que ela não pare por aí e continue presenteando a nós, fãs, com novidades.

rita7