Luiz Gomes Otero
Texto porLuiz Gomes Otero

Bob Dylan, o highlander do rock

  • 2
    Shares

Bob Dylan já deve ter se acostumado com o rótulo de lenda. E, em seu álbum mais recente, Rough And Rowdy Ways, o veterano não só confirma isso como ainda faz história ao se tornar o único artista a ter um disco no Top 40 da Billboard em todas as décadas desde 1960.


Rough and Rowdy Ways é o seu 39º álbum de estúdio. Lançado em 19 de junho de 2020, pela Columbia Records, ou seja, em plena pandemia de COVID-19. E é o primeiro álbum de músicas inéditas do norteamericano desde Tempest, de 2012. E vem após um trio de álbuns com foco nos padrões pop tradicionais.


Esse trabalho foi precedido pelos singles Murder Most Foul, I Contain Multitudes e False Prophet.

Rough and Rowdy Ways saiu como um álbum duplo, com a totalidade do segundo disco dedicada à canção Murder Most Foul. O disco traz, ainda, contribuições de Fiona Apple e Blake Mills.

Dylan continua certeiro

As análises iniciais da crítica foram extremamente positivas.

Levou classificação 95/100 do Metacritic com base em 22 análises.

Neil McCormick, do The Daily Telegraph, premiou o álbum com cinco estrelas em cinco.

Anne Margaret Daniel, revisando para a Hot Press, disse que Rough and Rowdy Ways é “o registro que precisamos no momento e que perdurará”.

Mikael Wood, no Los Angeles Times, disse que o álbum “lança uma maravilha após a outra”.


Críticas positivas à parte, o fato é que a voz de Dylan, que nunca foi o seu ponto forte, soa mais rouca nesse novo trabalho. Mas isso não atrapalha, pois o que vale, no final das contas, é a mensagem enviada, sentida e compreendida pelo ouvinte.

É possível que o trabalho anterior, com versões de canções gravadas por Frank Sinatra, tenha sido uma espécie de laboratório para ele saber como usar o que ainda possui de extensão vocal.

As faixas False Prophet e Crossing The Rubicon têm um arranjo próximo do blues. E o folk mais tradicional predomina em faixas como Black Rider e My Own Version Of You.

Colcha de retalhos sonora

A surpresa fica por conta da longa faixa Murder Must Foul, que fala sobre o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, em 1963.

Na verdade, Dylan utiliza os 16 minutos da canção como um pretexto para tratar de várias referências culturais, como se fosse uma colcha de retalhos sonora.

Rough and Rowdy Ways não tem uma essência pop. Trata-se de um trabalho que precisa ser ouvido com atenção, pois a mensagem de Dylan continua mais atual do que nunca.