Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 24 anos - Santos

Preta Rara é uma mulher em constante busca de mudança

Preta Rara nasceu Joyce Fernandes no Hospital Guilherme Álvaro, em Santos.

Moradora da Zona Noroeste, Joyce se tornou Preta Rara ainda na infância. Apelido que ganhou da mãe, que queria empoderar a filha contra o bullying e o racismo enfrentado ainda na infância, na escola. Talvez tenha sido aí que a busca por mudanças entrou na vida da santista.

A verdade é que ela sempre quis mudanças. Foi Preta Rara, por exemplo, que encabeçou o movimento Vai ter mulher gorda na praia em Santos (em 2016). Também brilhou como uma das pioneiras mulheres no rap aqui da região. E, principalmente, Preta Rara disse não às estatísticas ao entrar na mesma faculdade onde os filhos de suas patroas provavelmente estudariam.

juicysantos.com.br - Preta RaraImagem: Fernanda Luz

Ela foi de empregada doméstica a historiadora. E agora seu livro está nas livrarias de todo o país.

Eu, empregada doméstica, o grito da Preta Rara pela mudança

Em Eu, empregada doméstica, Preta Rara eterniza relatos de mulheres que, assim como ela, trabalharam ou ainda trabalham como domésticas. O projeto nasceu em 2016, aqui em Santos, sem muita pretensão.

“Eu estava de férias, deitada no sofá da minha casa, e me peguei pensando no fato de eu ter conseguido morar perto da praia. Acabei revisitando memórias da época em que eu era doméstica e decidi compartilhar esse pensamento no Facebook”.

O primeiro post foi sobre uma patroa, aqui de Santos, que não permitia que ela comesse a comida que preparava. Nem mesmo as louças e talheres poderiam ser usados. O texto viralizou. A hashtag #EuEmpregadaDoméstica foi parar nos Trending Topics.

E então nasceu a página e os relatos nunca mais pararam de chegar. De acordo com ela, o número já ultrapassa os 5 mil. É exatamente por isso que o livro só tem histórias inéditas.

juicysantos.com.br - Preta RaraImagem: Fernanda Luz

“Quis tornar isso eterno, pois acho que as redes sociais têm data de validade e não dá para saber quando será o fim do Facebook, né?”.

Um teatro lotado para ouvi-la

Atualmente, Preta Rara vive em São Paulo. Mas, em uma das suas passagens recentes por Santos, fez parte da escalação estrelada da Tarrafa Literária.

Para o lançamento do livro no festival, encontrou um teatro lotado à sua espera. Na plateia, viu sua avó e mãe (aplaudidas de pé no fim do evento) e também um número enorme de admiradores de seu trabalho.

Nenhuma ex-patroa apareceu. Mas uma frequentadora de uma das casas estava lá e jurou ter convidado a amiga. Segundo ela, a resposta foi que estava muito ocupada naquele anoitecer.

“Eu acho que é mentira, sabe?”, comentou a senhora que não quis se identificar.

Já que nenhuma delas apareceu, Preta Rara deixa o recado para todas elas e também para outras famílias.

“Não reproduzam o que fizeram comigo, com a minha mãe, minha vó e as mulheres que têm suas histórias relatadas no livro. A gente ouve que o trabalho doméstico é digno como qualquer outro, mas ninguém sonha em ser doméstica. Por que será?”.

juicysantos.com.br - Preta RaraImagem: Fernanda Luz

Dá para comprar o livro online e também na livraria Realejo 🙂