Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 24 anos - Santos

Santista desenvolve método matemático para combate à COVID-19

  • 1
    Share

Quais métodos de combate ao coronavírus você conhece?

A lista, provavelmente, tem máscara, álcool gel e a sonhada vacina. Mas hoje nós não vamos falar sobre nenhum deles. E sim sobre um método matemático que pode reduzir os danos causados pelo vírus e ainda ajudar em políticas públicas.

Não sabe do que estamos falando?

Então continue a leitura, pois esse estudo tem uma cientista santista à frente.

www.juicysantos.com.br - pesquisa sobre coronavírus com modelo matemático feita por física de santos sp

Método matemático para combate à COVID-19

Cristiane Batistela é física e nasceu aqui em Santos.

Atualmente, ela faz pós-doutorado e integra um grupo de pesquisas da Poli, a Escola Politécnica da USP. Além disso, dá aulas no Objetivo (Santos).

O método desenvolvido por ela permite descrever a propagação da COVID-19 na população.

www.juicysantos.com.br - modelo matemático elaborado por pesquisadora de santos no combate ao coronavírusFoto: arquivo pessoal

Para isso, a pesquisadora usou como base o SIR, modelo já conceituado e publicado nos anos 1920. Em resumo, o SIR divide a população em três grupos:

  • Suscetíveis (S);
  • Infectados (I);
  • Recuperados (R).

Já o método desenvolvido pela santista acrescenta dois novos grupos para as pesquisas relacionadas ao coronavírus:

  • Imunizados (I2), ou seja, quem já contraiu e o vírus e se curou;
  • Óbitos (O).

Por conta disso, a aplicação do método passa a descrever a propagação da doença. Consecutivamente, os números ajudam a entender se existe possibilidade de picos do vírus, se os hospitais serão sobrecarregados e quais políticas públicas devem ser adotadas para cada possível cenário.

Assim, pode servir como guia para as ações de prevenção e combate à pandemia.

App santista sobre coronavírus vence hackathon da NASA

Vale lembrar que essa não é a única iniciativa incrível com santistas estudando e agindo para entender e combater o coronavírus.

Thiago Pongelupe Ribeiro e Igor Zaarour Alves também são santistas e estão na equipe que criou um aplicativo que venceu o hackathon da NASA. Em resumo, o app surgiu em dois dias e oferece uma usabilidade similar à do Google Maps. Mas, no lugar de criar rotas no mapa, o usuário é capaz de identificar zonas de risco de contaminação. Se você quiser conhecer essa história, clique aqui!