Juicy Santos
Texto porJuicy Santos
Santos

Stranger Things: o flerte nostálgico da Netflix com os anos 80

No dia 15 de julho, a Netflix estreou os oito episódios da primeira temporada de Stranger Things.

Bastou um fim de semana (no meu caso, um dia!) para que a série conquistasse um grande número de fãs saudosistas.

Aclamada também pela crítica, Stranger Things já ganhou fóruns e gifs (como o da parede com luzes de natal penduradas com o alfabeto rabiscado) internet afora.

A série, de acordo com os seus admiradores, é um mergulho nostálgico nos anos 1980.

Trata-se de uma série de mistério que se passa exatamente nessa época – toda a estética, figurino, penteados e trilha sonora fazem a diferença pra estabelecer esse clima. Isso talvez faça os mais velhos darem risada pensando “Eu usava esse corte de cabelo”.

A história se passa na cidade fictícia de Hawkins, no estado de Indiana, uma pequena área suburbana de classe média norteamericana.

No início, em uma cena breve, aprendemos que algo dá muito errado em um laboratório misterioso (lá vem o primeiro clichê de filme oitentista). Depois, quatro garotos aparecem jogando RPG. Quando terminam a sessão, um deles, Will Byers, volta para casa e desaparece misteriosamente.

Como era de esperar, ao longo dos episódios, outros personagens aparecem no elenco e outros mistérios também.

O fascínio dos fãs está, especialmente, nas referências, seja pela características dos personagens, cenas, tramas, figurinos, roupas e a relação entre eles.

Há homenagens implícitas e explícitas.

Ao fundo de algumas cenas, dá pra ver, por exemplo, pôsteres de filmes de Steven Spielberg e de Stephen King. Estão lá todos os elementos de clássicos do cinema e literatura dos anos 1980, como The Goonies e E.T, como a amizade e a possibilidade que a fantasia pode ser real.

Stanley Kubrick também parece ter inspirado os temas, enquadramentos e sequências de cena. E o monstro da série é bastante parecido com o de Alien, o Oitavo Passageiro, de 1979.

Personagens

O roteiro não se esquece de dar conta da paranoia da época com o comunismo e a Guerra Fria, ao trazer elementos tirados diretamente de dentro do universo fantástico do RPG Dungeons & Dragons, que teve seu auge nos anos 1980, ano de seu lançamento.

Ah, e uma das personagens principais, a mãe de Will, é interpretada pela atriz Wynona Ryder, um ícone da década, que estrelou filmes como Beetlejuice e Edward Mãos de Tesoura.

Poltergeist, de 1982, It de 1990, Contatos Imediatos de Terceiro Grau, de 1977, Conta Comigo, de 1986, Carrie, A Estranha, de 1976, e até O Clube dos Cinco, de 1985, também recebem as suas referências mais do que merecidas em Stranger Things.

Todos os aspectos ajudam a criar o clima da trama:a o mistério, a atmosfera fora do lugar, a sensação de “fora da realidade”, a nostalgia, a música… Trata-se de uma série de mistério infanto-juvenil, mas com referências que atraem qualquer marmanjo que assistia Sessão da Tarde.

E, mesmo antes da estréia da primeira temporada, a Netflix já anunciou a segunda temporada.

Então, pode assistir sem medo, pois esse já é um clássico instantâneo para a nossa geração.

By: Victor Persico