Rita Zaher
Texto porRita Zaher
TAGs

Os Limites do Otimismo

Sempre fui reconhecida por ser uma otimista de carteirinha, por acreditar que as coisas sempre vão acabar bem e por ter a filosofia de que , se por acaso ainda não estão bem, é porque a história ainda não chegou no final.

 Essa postura diante da vida me fez colecionar frases que ouço aos montes como:

  1. Nossa! Como alguém pode ser tão motivado?
  2. Você tem síndrome de Polliana.
  3. Pode chover m… que você vai achar alguma coisa boa!
  4. Otimismo tem limites!

richie-bachelor

Já dei boas risadas ouvindo frases desse tipo e isso me fez refletir sobre como as pessoas tem tendências naturais ao pessimismo e por que o otimismo pode provocar reações tão ruins, quando deveria ser o contrário.

O pessimista parece carregar um peso, trabalhando com mais lentidão, desgaste e precaução, já imaginando o pior e embora possa parecer que esse é o caminho mais difícil, posso afirmar que, pelo contrário, é o mais fácil.

Ser otimista dá trabalho

Outro dia recebi um vídeo do Mário Sérgio Cortella onde ele afirma que ser otimista dá trabalho porque você precisa pensar para encontrar alternativas, ao mesmo tempo em que ser pessimista é fácil, basta você negar as possibilidades que existem e as coisas que aparentemente estão indo bem, já prevendo um final que sempre é trágico. Concordei com  ele, como sempre!

O fato é que, ser otimista é um estilo de vida e não é só isso… é um hábito também.

Mulher afirmando que poderia ser pior

Será que é um hábito?

Na minha experiência posso dizer que é um hábito difícil de implantar, pois nossa tendência é fazer sempre mais do mesmo e isso vem lá da pré-história, mas se você quiser de verdade, da para começar essa experiência que pode ser mais fácil para uns e mais difícil para outros mas, depois que está sedimentada, a vida fica muito mais gostosa.

Na verdade eu nem sempre fui otimista, aliás, eu já fui o oposto disso, principalmente na minha adolescência. Talvez pelas exigências e inseguranças, sempre olhava para o que estava faltando ou para o que não estava indo bem e tirava o foco de todo o resto. Procurava o negativo e ficava cega para o positivo.

Essa atitude me trouxe de presente gastrite, tristeza e o inconformismo de querer mudar o mundo e as pessoas para o que eu acreditava que seria o certo. Hoje sei que isso é impossível e que esse caminho só nos traz desgaste de tempo e de energia.

Como então mudar esse histórico?

A culpa é dos antepassados

Tudo começa com o nosso descendente mais antigo. Não, não é seu avô nem seu bisavô mas com certeza tem um grau de parentesco com você: o homem das cavernas!

Na pré- história, os nossos parentes tinham que sobreviver ao frio, precisavam de energia para lutar e fugir dos perigos e para isso, a energia era algo muito precioso. Hoje ainda é algo muito importante para todos nós, mas por outros motivos, também muito importantes.

Na grande maioria das vezes, durante nossas ações, pegamos o atalho, o caminho mais rápido, nosso corpo liga o piloto automático, ou seja, ele economiza energia. Assim mantemos hábitos e rotinas sobre os quais nem sempre nos damos conta.

Por isso, é tão comum olharmos para as coisas e automaticamente já procurarmos o que sempre procuramos ou julgarmos como sempre julgamos.

Na verdade agir sem pensar tem seus benefícios para o cérebro, se tivéssemos que resolver um problema lógico cada vez que fossemos agir, imagine o desgaste que teríamos! Mudar isso demanda energia, mas eu garanto que consumi-la por essa causa, vale muito a pena.

Mulher afirmando que hoje o dia será o melhor dia

Vício?

O hábito se assemelha a um vício e podemos ser viciados em várias coisas: comer, comprar, falar, trabalhar, mas o pior vício é o emocional.
Se você for viciado nas suas emoções, será muito mais difícil mudá-las porque seu cérebro fica esperando a química que elas produzem. Isso é uma questão fisiológica que os estudos das neurociências nos apresentam e é por isso que uma pessoa ansiosa fica tensa quando está tudo bem. Ela fica procurando algo para se preocupar.

Voltando à questão do otimismo, não encaro essa mudança como algo fácil mas que, como todo hábito novo a ser implantado, ocorre com muita disciplina e, para mudar, você realmente deve estar disposto. Imagine que mudanças provocam mudanças. Se você mudar com seu amigo, ele vai ter que mudar também com você pois agora você é uma nova pessoa, que deve ser tratada de uma maneira diferente e isso também provoca resistência por parte das pessoas que convivem com quem está em processo de mudança.

Fórmula para o otimismo

Não gosto de passar receitas de bolo, como já disse em outro artigo, ainda não estou familiarizada com a cozinha, minha parte nela é a degustação, porém, algumas dicas podem ajudar a focar mais no positivo, caso você tenha se autoavaliado e percebido que precisa disso. Nunca minta para você mesma, fingir otimismo não vale, você precisa acreditar realmente.

A Psicologia Positiva, afirma que otimistas são pessoa que conseguem perceber os eventos bons como permanentes e os eventos ruins como transitórios.

Já o pessimista percebe o evento bom como temporário e ficam na expectativa do que virá em seguida como ruim e definitivo.

Gif de homem chorando
Mais ou menos assim: para os pessimista, depois da tempestade nunca vem a bonança, pois a bonança é vista como algo temporário e eles vivem a espera da tempestade.

A história ainda não acabou. Os pessimistas muitas vezes atribuem a si próprios os eventos como azar ou destino enquanto os otimistas olham para suas vitórias e reconhecem que logo terão outras pois suas ações são elementos fundamentais da situação.

Veja algumas dicas que podem ajudar a mudar o rumo dessa história:

  1. Tome como um desafio ver o que a situação apresenta para você em termos positivos. Você pode não acreditar, mas tudo tem dois lados (algo bom e algo não tão bom, então porque focar no que vai tirar mais sua energia?)
  2. Não se cobre ser o super-homem ou um Deus que precisa acertar sempre, encare o que poderia ter feito diferente, pegue os cacos do caminho para não se cortar e aprenda com eles, respeitando o que cada situação está ensinando para você.
  3. Olhe para as situações com uma nova postura, se for difícil ao começo, insista, se você continuar fazendo da mesma forma, terá os mesmos resultados no final.
  4. A noite anote tudo o que ocorreu de positivo no decorrer do dia, faça isso por pelo menos 03 meses e observe quantas coisas você reuniu e o porquê de terem dado certo, percebendo sua participação nessa história. Na verdade elas sempre aconteceram só que seu radar nunca esteve apontado para elas. Leia sempre, elas vão compor a bíblia que ajudará no processo de mudança.

Otimismo racional

Finalizando, você pode achar que realmente eu sou a Polliana, pois só quero que veja as coisas boas. Na verdade eu concordo que as coisas não são 100% positivas, elas precisam realmente ser avaliadas além e que o otimismo precisa ser racional para ser válido. Haverá momentos onde ele não ocorrerá mas a energia acumulada pelo otimista ajuda na recuperação rapidamente das situações difíceis,  quando o mar não está para peixe.

Nada de ilusão, pé no chão com combustível para virar o jogo quando é possível!

Resumo da ópera: o otimismo está ligado a muito mais do que somente àquilo que pensamos, mas a como aprendemos a viver por intermédio das interpretações que fazemos das situações e isso também está relacionado com a personalidade e com a cultura.

Você precisa reconhecer quais são seus talentos e como eles podem influenciar na sua vida. Dê uma mãozinha para si próprio e utilize esses pontos fortes para driblar a maré.

praia-onda

Como dizem os poetas Roberto e Erasmo, e cantam os incríveis Titãs, “é preciso saber viver”.

Sendo assim,  para quem colocar uma pitada de esperança em tudo que faz e for consciente da força que tem para influenciar os eventos, a vida terá um sabor diferente e será extraordinário surfar nas suas boas ondas, descobrindo a cada dia, uma nova possibilidade!