Aline Brentegani
Texto porAline Brentegani

A tão temida temporada

Por mais que o santista entenda que a temporada é uma época fantástica para o comércio e a economia da cidade, sofremos com as mudanças que chegam junto com os milhões de visitantes.

praia de santos

O desconforto, palavra escolhida a dedo para amenizar nosso sentimento ao ver as filas quilométricas nas estradas que ligam nossa cidade à capital, é o primeiro sinal.

Como pode achar normal (e legal) demorar 6 horas para percorrer menos de 100 km?

As filas das lojas, a falta de vaga nos estacionamentos dos shoppings, a multidão de pessoas andando pelo Gonzaga, a superlotação das areias das praias, o aumento dos preços dos produtos, o trânsito nas vias principais, o lixo boiando na água do mar e a inexistência de vagas livres nas ruas da cidade são apenas alguns dos principais inconvenientes.

praia de santos

Mas o maior deles é a falta de cidadania do turista que desce a serra. Não, não estou falando daquele homem andando só de sunga lá na linha da máquina e nem da moça de biquíni na padaria da esquina. Tô falando do turista que chega ao litoral e esquece que, mesmo não morando aqui, os princípios básicos de cidadania devem ser mantidos.

Não jogar lixo nas ruas e no mar, respeitar o semáforo e o trânsito, não perturbar a vizinhança alheia, não arrumar confusão com a mulher do outro, são princípios a serem mantidos mesmo fora da sua cidade natal.

Sinto como se o turista ficasse de férias TAMBÉM de sua consciência e bom senso.

Fica a dica para quem, como todo santista que se orgulha do seu quintal, ama Santos e quer preservar seu meio ambiente e sua população.

E viva o verão!