Victória Silva
Texto porVictória Silva
Jornalista, 23 anos - Santos

A publicidade santista dos anos 40

A publicidade faz parte das nossas vidas.

Parece exagero, mas não é: ela está no feed das redes sociais, nos sites que acessamos, nos jornais, ruas, rádio, TV e em todos os lugares imagináveis. Não importa para onde você olhe, tem publicidade em algum de seus diversos formatos te impactando. 

Quando falamos de propaganda em Santos, a história é cheia de ícones. Podemos lembrar desde o funk da pamonha, de Rodney Dy até os flyers épicos das baladas dos anos 90.

Acontece que a história da cidade com a publicidade não começa há tão pouco tempo. 

A história da publicidade no Brasil tem início no final do século XIX, mas isso é assunto para outra matéria. Sendo Santos uma cidade percursora em diversos assuntos, podemos dizer que não demorou para as propagandas chegarem por aqui. A questão é: como eram esses anúncios e quem estava em busca dos consumidores caiçaras da época?

Para que essa viagem no tempo fosse possível, nada melhor do que ir diretamente à fonte: periódicos antigos.

publicidade santista dos anos 40 (8)

publicidade santista dos anos 40 (9)

publicidade santista dos anos 40 (10)

A equipe do Juicy Santos embarcou num trem para a Santos dos anos 40 e folheou diversas edições da revista Brasilidade. Nesta matéria, você encontra algumas das propagandas vinculadas na revista.

publicidade santista dos anos 40 (2)

Revista Brasilidade

Nunca ouviu falar na revista Brasilidade? Calma, a gente te explica.

Trata-se de uma publicação editada a partir de 1936 por guardas da Alfândega de Santos. Essa foi uma das primeira publicações feitas em Santos para todo o país, como era dito em seu próprio expediente.

Seus leitores tinham acesso a editorias com temas literários, sociais, esportivos, sobre rádio, televisão e cinema, costuras, teatro, recreio, entrevistas e muitos outros. Tudo isso com uma diagramação que, para a época, era de grande beleza gráfica – com ilustrações caprichadíssimas, por exemplo. Além disso, as páginas traziam textos assinados por nomes como Afonso Schmidt, Jorge Azevedo, Soares de Souza e tantos outros.

Se você ficou curioso, pode conferir algumas edições no site da Fundação Arquivo e Memória de Santos

Adoramos essa possibilidade de acessar online esse resgate da nossa história.