Juicy Santos
Texto porJuicy Santos
Santos

Ser gay não é mais diferencial!

Muitas pessoas vão ler e na hora falar “ah tá boa, senta lá Cláudia”. Não quero entrar aqui no mérito do preconceito, homofobia, etc; quero mencionar que sim, todos nós somos iguais emocionalmente falando, passamos pelos mesmos amores e dores na vida, mas o que quero contar é que o rótulo gay tá cada vez mais caído! E pra isso mudar cada vez mais, não depende só da sociedade, mas da atitude e construção da personalidade de cada um.

saindo do armário

Sou gay sim, como todo gay sou desde que nasci e como falei pra minha mãe recentemente: Não mãe! Não é opção! Nasci assim e não optei por ser diferente… Aliás mãe, um recado para ti: todo mundo sabe que ser gay não é mais tão diferente quanto se pensa.

Sair do armário é uma fobia para a maioria dos homossexuais e o pior, ou um dia a gente sai, ou um dia alguém arranca a gente de lá. No meu caso saí socialmente e virtualmente falando (fiz meu out pelo facebook para todos meus amigos). Já com a minha família, que é o real pânico de todo homossexuais, fui arrancado pela síndica do prédio, a lôca. Sim senhores! Pela síndica, que viu meu namorado, tocou a campainha de casa e comunicou a saída do armário em grande estilo para meus pais. Aí todo mundo deve estar pensando, você deve ter 15 anos. Não, não tenho, fui dedurado aos 30 anos de idade!

Ué, muitos se perguntam, você só saiu do armário aos 30 anos? Sim, porque sair do armário é um processo de conquista, não é meter o pé na porta e sair cantando que nem diz minha amiga “Cara Caramba Caraô” louco pela rua. É ir contando para poucos e confiáveis amigos, é ir desabafando para os primos e parentes que são mais abertos, é ir conquistando independência financeira, o respeito e o prestígio na empresa, ah! e lógico, acima de tudo, se entender com pessoa em todos os aspectos: não só em relação à sua própria sexualidade, mas se entender como um ser holístico que tem um lado (só um lado) homossexual.

Sei que nessa hora uma galera vai querer me dar um coió, mas sair do armário não significa chocar a sociedade e dizer: Ah tá, eu sou diferente, me sinto diferente e vou te afrontar e chocar. Pára tudo, porque eu não sou diferente, não me sinto diferente, simplesmente eu amo e me relaciono com outra pessoa do mesmo sexo, e com uma só viu (bee puritana feelings).

Tanto que quando eu saí do armário de forma escancarada no facebook, ao assumir meu relacionamento sério com meu namorido, a maioria das pessoas com as quais me relacionava na vida familiar, social e na empresa levantaram a placa: Eu já sabia! Sim, porque chegar aos 30 mantendo a máscara, gera questionamentos e fofocas, que, logicamente, ao se assumir não acabam, mas caem por terra.  A verdade realmente liberta!

saindo do armário

Na vida familiar a única consequência, para não fugir do clichê, é com meu pai, que ainda digere a informação e não quer manter contato comigo. Mas eu o entendo, sabia? Ou pelo menos tento. Muitos sonhos dele se frustraram! O castelo de areia ruiu quando finalmente assumi uma situação óbvia, a qual para muitos pais há uma tendência de preferir se enganarem ao longo dos anos, causando com isso um grande sofrimento aos filhos e filhas e para si próprios desnecessariamente.

A estes pais fica o título deste post: Ser gay não é mais um diferencial. Sim dependendo de onde seu filho(a) estudar, dependendo do grupo que ele (a) frequentar, dependendo dos pais e sociedade que os cerca ele (a) será discriminado(a), ok não vou ser tão “Kátia – a cega!”. Mas particularmente vejo que eu indivíduo, e eu “casal”, somos tratados com todo respeito, carinho e sem diferencial por todos os grupos sociais que frequento.

Já fomos a casamentos juntos, vamos juntos em nossa religião, viajamos juntos, falamos do nosso casamento com amigos do cotidiano (sonho de qualquer homossexual, mesmo aquele que renega o amor e  Marry the Night junto com a Lady Gaga), usamos aliança e não escondemos nada de ninguém. Enfim vamos juntos em todos os lugares e nunca, em alguns anos de relacionamento, houve um olhar maldoso ou uma piada jocosa. Ou eu sou muito Alice no País das Maravilhas ou prefiro acreditar que o respeito, carinho e educação com os quais tratamos todo mundo, nos é retornado com mesma ênfase, com o mesmo tom.

E para os filhos que se acham diferentes, uma dica: Respirem! O mundo está em processo de melhoria! Sim a atual geração já não pega tanto no pé dos amigos homossexuais, usam bem mais o chavão “eu tenho um amigo gay” sem tanta hipocrisia. Os jovens estão numa pegada de experimentar (não experimentem por modismo, experienciem se for por tesão, aí sim vale a pena), o movimento LGBTT já causa uma transformação social, cultural e até judicial,  aliás quando que eu, no meu alto dos quinze anos espinhentos, pensava que agora aos 30, poderia casar com os meus direitos civis respeitados? Nunca!

Jovencitos, que como eu fui um dia, um ansioso, angustiado e “forever alone” no armário, respirem, vão com calma, não enfiem os pés pelas mãos. Vivam o processo com menos angústia porque daqui a pouco esse diferencial passa, seu momento romântico bem “Klaine” chega, ou sua vontade de bater cabelo na balada também vai acontecer e logo logo, você como eu,  olhará para trás e pensará: Ufa… valeu a pena trilhar este caminho, porque hoje ser gay não é mais meu diferencial.

By: Cadú