Luiz Fernando Almeida
Texto porLuiz Fernando Almeida

Cadê a tampa da minha panela?

Por que não arrumo namorado? Por que só me apaixono por héteros ou por caras que já são comprometidos? Por que não consigo manter uma relação monogâmica? São algumas questões que atormentam homens gays.

namoro gay em santos

Para responder essas questões é preciso lembrar que relacionamento tanto faz se entre héteros ou entre gays, são sempre complicados. Porém os gays são também obrigados a lidar com muitas outras dificuldades além das enfrentadas por todo mundo.

Desde muito cedo aprendemos, entre outras coisas negativas, que relacionamentos homossexuais não têm futuro. Que são baseados apenas na satisfação imediata pelo sexo, sem fins de procriação e sem função na sociedade, esses relacionamentos são vistos como narcisistas e imaturos. Os gays crescem sem ter a oportunidade de explorar sua afetividade e sexualidade de forma natural e espontânea, como fazem os héteros, e passam a acreditar que sua diferença está irremediavelmente associada à solidão e ao abandono.

Em conversas com meus amigos, sempre chegamos a estes assuntos. E percebo que muitas pessoas ainda desejam ter um relacionamento estável, mas sempre inventam mil desculpas.

Está cada vez mais difícil encontrar alguém que, de fato, queira um relacionamento estável.  A internet veio pra facilitar encontros, mas com tanta oferta e procura, ficou mais fácil se relacionar com diversos parceiros sexuais ao invés de investir numa relação sólida.

Pra que se preocupar com alguém? Pra que ter alguém lhe cobrando coisas? É mais simples, “matar a carência” com o fast sex. É o que ouço da maioria dos gays hoje em dia. Embora ainda exista uma parcela de gays que acreditem nos relacionamentos (eu me incluo nessa cota!).

Outro fator importante que complica ainda mais é que o mundo gay valoriza demais a aparência. Há uma crença neurótica de que os outros só se interessam por gente bonita, musculosa, jovem e bem-sucedida.  Isso é um fator de estresse. Quem não se enquadra nesses modelos está ferrado, pois sempre pensa na rejeição. Não é fácil se livrar disso. É preciso ampliar as experiências, frequentar os lugares sem preconceitos, descobrir suas próprias singularidades e projetar menos no outro os nossos medos e expectativas.

Há muitas pessoas presas a padrões de rejeição com atitudes infantis e imaturas de sempre culpar o mundo e os outros por tudo, sem reconhecer que as dificuldades de relacionamento podem estar em você. Não dá pra idealizar o tempo todo e também ninguém quer ao lado alguém com baixa auto estima.

Aprenda a se amar do jeito que você é! Dá pra melhorar? Então faça, mas não tente viver pra se enquadrar nesses padrões estéticos porque você pode pagar um preço muito alto por isso.

Penso que é difícil manter uma relação monogâmica porque muitos casais gays buscam seguir o modelo hétero, que é monogâmico, ao menos em teoria. Quando falham, entram em crise. Há os apelos da sexualidade. São dois homens pensando em sexo. A “caçação” é muito forte. Há toda uma cultura voltada para a realização sexual (saunas, cinemas, salas de bate-papo, aplicativos e etc.). O mais comum é o casal fingir ser monogâmico, como muitos héteros fazem. Menos comum é tratar a questão de forma aberta e pragmática: o casal conversa e estabelece meios de tornar sua vida sexual mais interessante, como permitir que o outro tivesse experiências fora, mas sem um contar para o outro.

Uns aceitam que os dois façam juntos sexo com uma terceira pessoa. Alguns casais fixam limites: não pode beijar nem transar com conhecidos. Outros reprimem, rejeitam essa história de abrir a relação. Mas é importante que exista esse diálogo e para que as coisas funcionem bem.  Não se sustenta nenhum tipo de relacionamento e não me refiro só aos afetivos, na base da hipocrisia durante muito tempo.

Desculpe-me Cazuza, mas raspas e restos NÃO me interessam! 

Além disso tudo, a ausência de modelos públicos (como na mídia, por exemplo), a falta de literatura específica sobre o tema (quantos livros sobre relacionamentos gays você conhece?) e de especialistas em aconselhamento para casais gays, torna essa empreitada uma aventura ainda mais solitária.

E olha que mesmo com todas estas dificuldades, já é possível enxergar vantagens no relacionamento gay, pois segundo o Instituto de Pesquisa Rockway de São Francisco, relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo são mais saudáveis que entre heterossexuais, você acredita?

Uma série de estudos revelaram que pessoas que se relacionam com outras do mesmo sexo têm maior probabilidade de relacionamentos maritais e familiares do que aquelas em um relacionamento hétero.  Robert Jay, diretor executivo do Instituto Rockway, disse que a flexibilidade de gênero dos papéis desempenhados pelas pessoas em um relacionamento gay e a divisão igualitária nas questões domésticas e familiares resulta em relacionamentos mais saudáveis que aqueles heterossexuais apoiados em moldes antigos.

Então minha gente, vamos namorar! Não desista porque uma hora você encontra a tampa da sua panela. Há não ser que você seja uma frigideira…

Em tempo: To solteiro, e só chegar! (homens acima de 35 anos, please!).