13/04/2018 Por Victória Silva Equidade

Como emprestar suas pernas aos sábados

Os pés tocam o chão uma, duas, três vezes… Enquanto você ultrapassa uma pessoa e sente a paisagem mudar no seu ritmo, o vento massageia a sua pele de maneira suave e as primeiras gotículas de suor pingam na lateral do rosto.

Tudo isso com o coração compondo seu próprio beat em parceria com o ritmo da respiração. 

Só colocando os tênis e indo correr para entender esse mix de sensações e todo o barato que a endorfina proporciona no decorrer de um dia de treino.

Há quem pense que tudo isso é loucura e simplesmente não queira provar a experiência. Mas muitas pessoas não têm o privilégio da escolha ao nascerem impossibilitadas de fazer uma simples corrida na orla da praia ou em outros ambientes por conta de uma deficiência.

Você pode ser o fator que muda essa realidade.

Que tal emprestar suas pernas aos sábados?

Esse é o convite feito pelo casal de santistas Stefan Klaus e Ana Paula de Jesus, responsáveis pelo projeto Empresto Minhas Pernas.

A iniciativa nasceu do pedido de três garotos cadeirantes que, sabendo que Stefan participava de corridas de rua em Santos, perguntaram se o casal poderia ajuda-los a viver a emoção de cruzar uma linha de chegada.

“Nós éramos voluntários de uma entidade e lá eles sabiam que a gente tinha o hábito de correr. Um dia, Léo, Marcos e Danilo nos pediram para participar de uma corrida de rua. Aceitamos o desafio, conseguimos as vagas para os três e fomos correr,” explica Klaus.

Em 23 de janeiro de 2016, eles emprestaram as pernas pela primeira vez. Correram em Praia Grande utilizando as cadeiras de uso comum dos garotos e viveram uma emoção que ainda faz a voz embargar ao revisitar a memória, com o apoio do público durante todo o percurso e chegada com direito a escolta policial, como os campeões (que são).

A experiência despertou o desejo de fazer ainda mais e assim nasceu o contato com o projeto paulistano Pernas de Aluguel. Com a ajuda do Eduardo, responsável pela iniciativa na capital paulista, eles entenderam a melhor maneira de criar uma iniciativa desse tipo em Santos. Assim nasceu o Alugo Minhas Pernas que, inclusive, tem o Eduardo (de SP) como padrinho.

Logo de cara eles conseguiram comprar duas cadeiras especificas para corrida e ganharam mais duas cadeiras de doadores.

Como emprestar suas pernas aos sábados (3)

Atualmente, muitas pessoas emprestam suas pernas por aqui.

Duzentas pessoas já estiveram envolvidas em corridas de rua dentro dessa ação.

E o projeto faz mais do que isso. Todos os sábados, a galera se encontra, a partir das 7h30, no Emissário Submarino. A ideia é treinar para as competições e criar interação entre voluntários e atletas cadeirantes.

“Nós sentimos a necessidade de ficar mais perto e começamos os encontros semanais, aos sábados, no Emissário. Nesses encontros conseguimos criar vínculos e eles nos dizem o que querem. Assim temos atividades além da corrida, como o surf, por exemplo”.

Nos encontros de sábado também rolam aulas de libras. O motivo? A ideia do projeto é ser totalmente inclusivo e um dos voluntários tem deficiência auditiva, então o restante da turma pediu para estudar a linguagem de sinais.

Leia também
Natália: mãe, professora, pós-graduada e deficiente auditiva
Acessibilidade em Santos: como estamos?
5 desafios urbanos para quem é deficiente visual

Neste ano, eles fizeram parte de uma das alas do Grêmio Recreativo e Cultural Escola de Samba Vila Mathias. Sessões de cinema adaptadas também estão na programação do projeto.

Na próxima corrida, um dos voluntários será um deficiente visual!

A comoção em torno do Empresto Minhas Pernas é tão grande que, em média, 50 pessoas (entre voluntários e participantes) acordam cedo aos sábados para os encontros. Todos compartilham a vontade de transformar o Emissário em uma praça amiga, no que diz relação ao respeito pelas diferenças e a acessibilidade.

Como emprestar suas pernas aos sábados

Como emprestar suas pernas aos sábados (1)

Ser um voluntário é bem simples: você precisa de um tênis confortável e boa vontade.

Basicamente, tem que chegar ao Emissário e procurar o pessoal do projeto. Se você não possui experiência com corrida, não precisa se preocupar. Todos os treinos têm a supervisão de professores de Educação Física voluntários e eles vão te auxiliar nos primeiros passos e dizer quando suas pernas estão preparadas para serem emprestadas – empurrar as cadeiras é um esforço extra, por isso o preparo é importante.

A equipe tem um cronograma das corridas das quais pretende participar, com base na logística e no valor das inscrições.

Depois que você estiver habilitado ao cargo de empurrador oficial (tem que entender o mecanismo das cadeiras), é só adquirir a camisa do grupo e escolher em quais eventos ir.

“É importante dizer que em todas as corridas nós vamos como se fosse um batedor, para evitar acidentes – seja de corredores entrando no pelotão ou as cadeiras no meio dos corredores. Tudo isso é explicado nos treinos”.

Toda a comunicação do grupo é feita via Facebook. Eles pretendem lançar um site e um canal no Youtube, mas ainda não têm orçamento para isso 🙁

Que tal sentir o ar acariciando seu rosto e sentir a emoção de cruzar a faixa de chegada de uma corrida, ajudando alguém que sempre sonhou com esse momento? Como o próprio projeto diz:

“Vai ser o pior tempo da sua vida, mas a chegada mais emocionante!”

Curta a página do Empresto Minhas Pernas e empreste suas pernas aos sábados.

Share Button