Paulo Rogério
Texto porPaulo Rogério

O futuro é dos carros híbridos: um test drive com o Toyota Prius

Prometemos não dizer que carros híbridos e elétricos vão dominar o mundo.

Mas que vão, vão.

Deveriam, mas ainda não é o momento. E, no Brasil, menos ainda. Já falaremos o porquê.

Estamos em um momento de testes centrados nos carros híbridos da Toyota. Pegamos o Prius para um test drive gigantesco e, na sequência, um Corolla para algo mais brando.

Com o Prius foram quase 1.500 km em seis dias. O roteiro foi São Bernardo do Campo, Guarujá, Belo Horizonte e São Bernardo do Campo para entregar o carro. Nesse período, foram dois abastecimentos. O primeiro a uns 200 km de BH, quando o tanque estava um pouco acima de 1/4 e o último, na capital mineira. Saímos de lá com tanque cheio e o entregamos no ABC Paulista com 150 km de autonomia. Daria para chegar à Baixada sem abastecer.

O que torna os carros híbridos tão interessantes?

A questão é essa: carros híbridos são absolutamente econômicos.

Tudo porque eless têm pelo menos dois motores (alguns têm mais) e só um deles é a gasolina. O outro ou os outros são elétricos. E, quando o motorista não acelera forte, só o motor elétrico entra em ação. A gasolina fica lá, sem queimar e rendendo muuuuuito mais. Na cidade, é muito comum acelerarmos pouco. Ou seja, carro híbrido na cidade quase não consome combustível. Na estrada sim, entra o motor a gasolina, mas mesmo assim o híbrido continua sendo econômico.

A propósito: o Corolla híbrido é flex. Quer dizer, dá pra pôr álcool na hora de abastecer. Há relatos de que o sedã faz 32km/l na cidade.

Trinta e dois quilômetros com um litro de combustível…

“E onde eu carrego a bateria do motor elétrico?”

Nos freios e na desaceleração. Ali a bateria acumula energia e vai carregando. Mais ou menos como o Kers tão citado na Fórmula 1. Ligar na tomada? Alguns modelos (como os da Volvo) até têm a tomada. Mas, numa boa? Nem  precisa.

O híbrido não é totalmente elétrico, portanto a indústria petrolífera não vai amargar prejuízos.

Ora bolas, pipocas, então por que os híbridos não emplacam mais no Brasil? Porque são caros. O Prius custa uns R$ 135 mil e pelo Corolla você desembolsa R$ 115 mil. Aí vêm IPVA (4% sobre o valor no estado de São Paulo), seguro, licenciamento, revisões…

E por que são caros? Impostos, ou o excesso deles. Vai nos Estados Unidos que os carros custam bem menos por lá.

Mas, por enquanto, não dá para para ir. O jeito é testar os híbridos por aqui. E usando máscara – sempre! Fique em casa.

Aceleremos!!!