Flávia Saad
Texto porFlávia Saad
38 anos - Santos (SP)

Como voltar à forma depois dos filhos? Elas conseguiram!

Depois de ser mãe, tudo muda na sua vida. Duvide se alguém te disser o contrário.

Em 2012 (e desde então), vi meu mundo virar de cabeça pra baixo com o nascimento da Filipa. E olha que foi uma gravidez planejada e amada. Mas não tem jeito: a maternidade chega e devasta o que vê pela frente – no bom sentido!

Meu sono mudou, minhas opiniões mudaram, meu trabalho mudou, minha relação com minha mãe mudou.

bebês-exercício

E meu corpo também.

O puerpério já é, por si só, uma fase delicada. A nossa identidade, que parecia tão certa e definitiva, se dissolve em meio ao amor, à dor e à nova rotina.

Posso dizer que foi bem no início da minha jornada como mãe que, ao me cuidar, eu conseguia cuidar melhor da minha filha.

Mantendo o peso na gravidez

Engordei apenas 9 kg na minha gestação (contei um pouco sobre isto neste post – 9 dicas para 9 meses de gravidez). 

Comecei a praticar atividades físicas ainda criança e tenho a sorte de gostar de malhar. Por isso, me pareceu bem óbvio continuar ao longo da gravidez.

Fiz exercícios até o dia 10 e ela nasceu no dia 12 de dezembro, de uma césarea após 14 horas de trabalho de parto.

Liberada totalmente pelo médico ao completar 3 meses, voltei para a academia.

Era libertador, mas nunca fácil.

Por uma hora, eu voltava a ser apenas a Flávia. A mãe da Filipa ficava em casa.

Eu tinha sono. Muito sono. Acordar de madrugada 7 vezes e depois ter que encarar a esteira parecia um pesadelo.

Há, ainda, a questão de com quem deixar a cria. Tenho sorte de ter contado com o apoio da minha família, que sempre entendeu que a minha saúde teria que vir em primeiro lugar, ou eu não conseguiria dar conta.


728x901

 

Também comecei a frequentar um grupo de mães que se reunia na praia aqui em Santos para caminhar com os filhos, o Foca na Balança. Além de queimar calorias, encontrei muitas mulheres como eu, cheias de dúvidas, de perguntas, de medos e de alegrias. Fiz amizades que ultrapassaram os limites do calçadão e que continuam até hoje.

Fazer exercícios me ajudava com as dores na coluna, com a disposição (malhar de manhã pra mim tem esse efeito) e com a auto-estima de quem agora estava em busca não só de um corpo legal, mas também de saúde pra ver a filha crescer.

Hoje, aproveito o tempo em que ela está na escola pra continuar esse hábito que eu nunca deixei.

Dos 9 kg ganhos na gravidez, emagreci 16. Em 3 anos.

voltando à forma após gravidezEm 2013, retomando as caminhadas na praia, 3 meses após o parto da Filipa

O melhor de tudo? No meu tempo, dentro da minha rotina e dando o exemplo pra Filipa de que se exercitar faz bem.

Cada mãe, uma história

No Facebook do Juicy Santos, perguntamos para algumas mães sobre sua relação com o corpo após o parto.

Veja alguns depoimentos:

“Sempre pratiquei atividade física ao longo da vida. Treino musculação desde os 15 anos,e consegui fazer musculação até o dia em que a bolsa estourou!

Meus 2 filhos nasceram de 41 semanas. Durante as gestações, acrescentei na rotina de exercícios o Pilates, já que sou fisioterapeute e instrutora da modalidade.

Em amba, engordei 8 kg. Fiz acompanhamento com nutricionista, sempre me preocupei em me alimentar bem. Durante a gestação e na amamentação, mais ainda! O que contribuiu muito ao retorno rápido ao peso anterior foi certamente meu estilo de vida e amamentação.

Com dois bebês em casa, atualmente minha rotina de exercícios ficou atrapalhada. Costumo ir, pelo menos, 3 vezes por semana. À noite, depois que dormem, deixo com o pai. Tenho um blog, o Grávida Sem Preguiça, que fala sobre as atividades físicas depois do parto”.

Danielle Lousada Ferreira, 33 anos, mãe de Maitê (2 anos e 2 meses) e Gael (9 meses)

“Engordei 13 kg na primeira gestação e 12 kg na segunda.

Fazia triathlon, corrida de rua e travessias aquáticas desde meus 14 anos e isso sempre me levou a ter uma preocupação com o corpo. Me formei em Educação Física e atuava como personal, o que me levava a sempre estar em forma, pois meu corpo seria sempre meu “cartão de visitas”.  

Eu sempre quis ser uma grávida saudável  e não concebia a idéia geral de que tínhamos que comer por dois.

Estava em treinamento para o Triathlon IronMan em 2011 quando descobri que estava grávida de meu primeiro filho Como competia e treinava duro havia 12 anos, quis dar uma pausa e levei a gestação sem fazer atividades físicas diárias .

Tive um parto normal hospitalar no dia 31 de maio  de 2012 e amamentei até os 2 anos e meio. Amamentar meu primeiro filho me deixou abaixo do peso inicial e um pouco sem fome, o que normalmente não ocorre com a maioria das mulheres. Recuperei facilmente a forma somente com amamentação e alimentação.

Na minha segunda gestação, em 2013, tive algumas complicações que não me deixaram, de fato, realizar exercícios . Segui com alimentação normal e contei um pouco com a genética e o histórico de ser atleta. Tive um parto domiciliar planejado no dia 27 de agosto de 2014 e amamentei até os 2 anos. Meu peso normal sempre foi 57-58 kg e voltei a ele com um ano e meio de parida.

www.juicysantos.com.br - antes e depois da gravidez
Nas duas gestações, eu engordei o considerado normal. Contei com minha genética, pois não tive estrias e pratico uma alimentação sem excessos.  Amamentei MUITO e credito a facilidade de voltar ao peso a isso.

Voltei a fazer atividades físicas somente agora em 2016. Já fiz duas competições de pedestrianismo e pretendo fazer a Meia Maratona do RJ em agosto”.

Bruna S. M. de Braga Mello, 32 anos, mãe de Yuri (4 anos) e Netto (2 anos)

“Tive minha primeira gestação aos 19 anos e engordei 20 ks! Durante a amamentação, perdi alguns quilos, que logo voltaram. Nunca mais emagreci tudo… Na segunda gestação, com 27 anos, engordei 9 kg e perdi nos primeiros dois meses.

Antes da primeira gestação, eu não praticava exercícios. Na seguinte, comecei a caminhar e andar de bicicleta. Mas já havia perdido o peso da segunda gravidez. Fiz dieta de cortar carboidratos, substituição de refeição por shake, introdução de alimentos com fibra, e nada, absolutamente nada, faz com que eu emagreça.

Já procurei médico, meus exames estão todos normais. Mas não consigo encaixar a atividade física no meu dia a dia, porque não tenho minha mãe para deixar minhas filhas e meu marido trabalha o dia todo”.

Pâmela José, 33 anos, mãe de Beatriz (12 anos) e Alice (4 anos)

“Tive 3 gestações e engordei 30 kg, 16 kg e 20 kg, respectivamente. Acredito que voltei ao peso original por causa da amamentação em livre demanda e pela alimentação saudável, sem restrições, porém com qualidade.

Meu almoço e jantar sempre têm 5 cores. Tomo bastante água e como frutas o dia inteiro.

Nunca fiz academia, não tenho tempo nem disponibilidade pra deixar minha caçula, de apenas 1 ano. Por conta disso, procuro fazer tudo que posso a pé, como caminhar na praia com o bebê no carrinho ou sling 2 vezes ao dia, pela manhã e final da tarde. Faço exercício e aproveitamos a vitamina D do sol.

Notei que, após os 30 anos, houve mais demora na recuperação do corpo – principalmente, por ser parto cesárea, em que o exercício físico é liberado pelo médico só após 3 meses.

Acho que, pra voltar a forma, a mamãe precisa se sentir bem consigo mesma, aceitar que é uma fase, se dedicar ao bebê 100% e não ficar encanada com as mudanças do corpo no primeiro ano de vida do bebê. Esse é o ano que mais requer atenção e gera o vínculo de mãe e filho. Encarar tudo isso como uma fase da vida da mulher, sem pressão da sociedade e impor padrões de beleza torna esse momento da vida da mulher muito mais leve!”.

Caroline Amaral Taveira Silva, 31 anos, mãe de um menino de 13 anos e uma menina de 1 ano e 1 mês. Ela perdeu seu segundo bebê com 1 dia de vida.

“Tenho 1,72m de altura e estava pesando 63 kg. Na primeira gestação, cheguei aos 80 kg. Desde os 7 anos, pratico alguma atividade física. Fui atleta de Ginástica Rítmica e competi por 10 anos. Me formei na FEFIS e segui com a carreira de educadora física por pouco tempo, pois o mundo da beleza falou mais alto. Virei maquiadora e cabeleireira, mas continuei com a rotina de academia.

Depois de dois meses (pós-parto), voltei para a academia, com meu bebê no sling. Como me formei na área, tomei todas as precauções possíveis para a segurança do meu bebê. Os treinos eram mais leves, e em nenhum momento fiz dieta. Pensava sempre na qualidade do leite para a amamentação, comia muito bem e de tudo…  

Levei uns 6 meses para recuperar a forma. Não foi tão rápido a recuperação do peso, mesmo tendo parto normal.

Voltei a treinar por qualidade de vida, para sair de casa, melhorar a saúde. Nossa pediatra, Milena Vilarinho, falava para não emagrecer muito rápido, pois poderia prejudicar a produção de leite.

Continuei amamentando até 1 ano e 1 mês, quando engravidei novamente. Ele está com 45 dias e já volto a caminhar na semana que vem”.

Gabriela Vieira Ribeiro, 27 anos, 2 filhos, um com 1 ano e 11 meses e, o outro, 45 dias.

“Sempre me alimentei corretamente, minha mãe era super caxias em relação à nossa alimentação. Toddyinho, salgadinhos e refrigerantes eram proibidos em casa.

Engordei 9 kg na gestação da Verena e 8 kg na do Vittorio. Me consultei com uma nutróloga para me certificar de que a bebê estava recebendo tudo que era necessário para boa formação.

Além disso, tenho uma boa genética, sempre fui magra. A amamentação teve papel fundamental nessa volta ao tamanho original do útero, porque ele contrai e fica aquela sensação de barriguinha saliente, que diminui gradativamente.

Antes da chegada das crianças, eu tinha bastante tempo pra correr, que eu amo. Esse esporte era minha base, chegava a praticar 2 períodos, antes e depois do trabalho. Com os filhos, mudou bastante.

Nos primeiros meses, eu só conseguia sair quando os bebes “liberavam”, mas já deixava tudo pronto para uma escapada de 40 minutos. Para não perder tempo, já saia correndo de casa! Durante os finais de semana, eu e meu marido revezávamos para ambos poderem correr.

O tempo era cronometrado. Os treinos de circuito na academia também foram bons pra não deixar de fora nenhum grupo muscular.

Tudo foi se encaixando, como uma orquestra. Fica tão harmônico, que é difícil separar! As criancas entraram na história da casa para agregar. Começamos a pedalar com cadeirões na ciclovia nos fins de semana, escolhemos academia mais perto e com horários mais amplos e a logística ficou perfeita entre nós.

Eu sou muito disciplinada, sempre corri as 5h40 da manhã. Meu marido estava em casa e os bebes dormiam, eu corria até 6h40, chegava, tomava banho, acordava os pequenos e deixava com meus pais, levava na escola na hora do almoço, buscava no final do dia, fazia um treino de 45 min e voltava ainda cedo com tempo para brincar e ficarmos juntos, nunca deixei de treinar cedinho, nem no inverno ou na chuva.

Minhas amigas sempre elogiavam minha determinação e força de vontade, mas era prazeroso. Não havia pressão – apenas prazer na endorfina e na superação pessoal.

Mas o tempo passa e os conceitos mudam. Passei a me sentir mais carente de estar ao ar livre. Aqui em Santos, é fácil treinar junto com a natureza. E comecei a pensar que se eu demonstro às criancas meu uso consciente do meio ambiente a meu favor, posso ensiná-los sobre as estações, fases da lua, horas, etc. Enfim, o esporte ao ar livre me pareceu mais exemplar aos pequenos como forma de ensinar respeito à natureza.

Introduzi a canoagem na minha rotina de treinos e levei-os varias vezes para remarmos aqui pela região. Foi emocionante!

Tambem retornei a prática de yoga, que eles amam imitar. Tudo colabora para que a família esteja sempre cuidando do corpo de forma consciente.

Hoje, a atividade fisica pra mim está muito longe do aspecto físico, do corpo bonito ou da performance. É uma forma de buscar energia na natureza, de trazer minha familia para um ambiente gostoso, e ensinar a beleza que e se cuidar pois dali vêm muitos outros ganhos que não são só uma barriga lisinha.

Mulheres precisam ser mais unidas – principalmente as que são mães!”

Ana Paula Caramez D’Ascola, 39 anos, mãe de Verena (7 anos) e Vittorio (5 anos)

“Engordei ao todo 9 kg, chegando a 61 kg. Hoje estou com 45 kg. O sucesso de perder peso tão rapidamente foi da amamentação, e também da vida de mãe que trabalha fora, cuida da casa… Enfim, a gente nunca para!

Sou uma pessoa que detesta exercícios físicos. O máximo que eu fazia durante a gravidez era caminhar bastante, já que ia e voltava do trabalho à pé. Então considerei a caminhada como meu exercício nesse período. Não tive muitas dificuldades, pois perdi praticamente os 9kg em 1 semana. O que incomodou no início foi a barriguinha flácida no pós-operatório. Com 15 dias, eu já estava emagrecendo naturalmente”

Mara C. Bonna Lacerda, 28 anos, mãe de Enzo, de 1 ano e 6 meses

“Engordei 15 k na primeira gravidez, tive parto normal e voltei rapidamente ao peso original. Na segunda, ganhei 16 kg e tive que fazer cesárea. Depois de 15 dias do pós-parto, fui me pesar achando que tivesse perdido uns 8 ou 9 quilos, mas tinha emagrecido só 3 ou 4. Comecei a ficar desesperada. Sempre fui magra e fiz atividade física, embora não levasse muito a sério. Nāo me conformava de estar gorda e também não podia fazer dieta por causa da amamentação. Usava as roupas da minha māe, tinha vergonha de sair de casa.

Quando a médica deu alta da cesárea, me matriculei na academia para uma aula de ginástica localizada com enfase em aeróbico. Só queria emagrecer, não tinha pretensāo nenhuma de ficar malhada. Mas fui disciplinada e hoje continuo na ginástica com uma aula super forte na Equipe 408, que começa às 7 da manhã. Modéstia à parte, recebo muitos elogios aos 46 anos pelo corpo que tenho”.

Ana Paula Villani Pagetti, 46 anos, mãe de Thiago (16 anos) e Lucas (14 anos)

“Acho que emagreci rapidamente os 20 kg por causa de genética. Antes de engravidar,  eu corria. Durante a gravidez, caminhei bastante e fiz hidroginástica”.

Marina F S Lori Dias, 26 anos, tem um filho de 1 ano.

“Emagreci os 16 kg muito rapidamente, porque amamentei. E também porque minha mãe foi igual, também tem esse fator genético. Não tenho mais tempo de correr na praia como fazia, mas gasto bastante energia em casa cuidando do meu filho. Me alimento muito melhor depois da gravidez, mantive essa preocupação por conta da amamentação. O emagrecimento se deu gradualmente”.

Elisa Kannebley Martins, 34 anos, mãe de um bebê de 10 meses

Como voltar à forma depois da gravidez?

É muito importante que a nova mãe entenda os benefícios de praticar uma atividade física!

Quem não tem com quem deixar os filhos enquanto vai à academia, ou acha que o tempo está apertado com trabalho, afazeres da casa e cuidados com as crianças, pode lançar mão de algumas ferramentas, como o Mamãe Sarada.

Esse programa de exercícios oferece a chance de voltar à forma depois da gravidez com apenas 14 minutos diários, que você faz em casa mesmo seguindo os vídeos. Dá pra assistir no computador, no tablet ou no celular.

336x2801As aulas, formuladas por Gabriela Cangussú, personal trainer e mãe de 2, trabalham principalmente as partes do corpo da mulher que são mais afetadas durante a gravidez: barriga, pernas, lombar e bumbum.