Texto porVinícius Carlos Vieira

Reabertura dos cinemas em Santos: uma roleta russa

  • 1
    Share

Muita gente acredita que a ideia da “roleta russa” tenha nascido em uma coletânea de contos de 1840 do escritor Mikhail Lermontov. O objetivo é colocar apenas uma bala no tambor do revolver, rodá-lo e fechá-lo sem saber em que posição a bala foi parar. Na sequência, apertar o gatilho com o cano da arma encostado na própria cabeça.

Ganha quem não morrer.

Depois de um movimento no mundo inteiro, com mais força nos Estados Unidos, as salas de cinema começaram a reabrir.

As salas de cinema em Santos seguiram a tendência. A portaria da Prefeitura que permitia o recomeço das exibições de filmes na cidade saiu em 3 de outubro. Os cinemas começaram a receber seu público ainda na mesma semana, já aproveitando a quinta-feira de estreias.

www.juicysantos.com.br - reabertura dos cinemas em santos sp - pessoas de máscara na sala de cinema

Mas que estreias?

O Festival de Volta Para o Cinema (DVPC) foi um desastre, mas ainda assim alguns filmes da lista devem dar as caras nos cinemas de Santos. Clássicos da Sétima Arte que você poderia ver em casa em algum serviço de streaming, mas irá preferir pagar uma grana a mais para conferir tudo.

As distribuidoras também continuam jogando suas estreias no Brasil em um misto de “lançamento físico” misturado ao on demand. Portanto, mesmo com os cinemas liberados já há algumas semanas em outras cidades e estados do Brasil, ninguém parece muito à vontade com a ideia de sacrificar suas principais estreias exclusivamente nos cinemas.

Como está sendo a reabertura dos cinemas em Santos?

Em Santos, o primeiro cinema a abrir as portas, o Cine Roxy, já o fez no dia 8 de outubro mesmo. Aproveitando o DVPC para passar Harry Potter e a Pedra Filosofal. Mas também levando para suas salas o mesmo Daniel Radcliffe no pirado Armas em Jogo, com duas pistolas pregadas em suas mãos. De resto, alguns terrores para “festejar” o Halloween e o novo filme de Guy Ritchie, Magnatas do Crime. Este último pode ser visto por R$ 6,90 no seu serviço de VOD preferido. Em casa, sem máscara, comendo pipoca.

O Cinemark em Santos deve abrir suas portas só uma semana depois, com mais um monte de filmes que ninguém se importa. Já o Cineflix, no Miramar Shopping, ainda não oficializou a data de reabertura. Por um mínimo respeito à sua população, o Cine Arte Posto 4, da Prefeitura, não tem previsão de reabertura.

O protocolo oficial de reabertura obriga os cinemas a funcionar apenas por 8 horas, entre as 14 e as 22 horas. Tudo com apenas 40% da capacidade das salas. São Vicente, Guarujá, Cubatão e Praia Grande, quem têm cinemas, devem seguir o mesmo rumo. Com exceção da última, que já tem um drive-in, e deve apenas adaptar a reabertura.

Cada sessão ainda deve ter um espaço de 30 minutos para higienização, além, é claro de distanciamento do público, verificação de temperatura e máscara… Desde que você não esteja comendo, nesse caso, você tira a máscara. Já as crianças com menos de 12 anos não poderão ir ao cinema sem os pais. Com certeza, eles assim obedecerão aos adultos enquanto as máscaras estiverem baixadas. E estou falando do vírus, entre um milho estourado e outro ou voando da ponta do canudinho.

Um segredo

Esqueça os filmes, os cinemas querem que você encha a boca de pipoca. É de conhecimento geral que praticamente metade da arrecadação dos cinemas fica com as comidas. E não existe esforço de nenhum dono de cinema para levar um pouco de arte, cultura e entretenimento para os amantes de cinema. O objetivo é lucrar com milho. Meio quilo de milho premium custa em torno de R$ 2,69, fique à vontade para fazer as contas do lucro com um copo de milho que se torna um pote de pipoca de R$ 20.

O UCI aponta um consumo de mais ou menos 50% das pessoas que entram em seus cinemas. Resumindo, metade das pessoas que entram em seus cinemas compram alguma coisa da bomboniere e irão mastigar ou tomar algo durante a exibição dos filmes… Sem máscara.

Os cinemas são grandes lanchonetes que exibem filmes, não o contrário. Portanto, não confunda isso com amor à arte ou uma oportunidade para salvar sua saúde mental em tempos tão sombrios.

Estreias estranhas

Isso ainda se mistura com o completo desperdício de investimento dos estúdios para colocar seus grandes filmes nas salas de cinema.

Nos Estados Unidos, mesmo com uma média diária de mais de 40 mil novos casos de COVID-19 por dia, a Warner Bros. lançou uma das suas maiores apostas do ano nos cinemas. Com mais de 39 mil salas de cinema no país, o novo filme de Christopher Nolan, Tenet, estreou em 2,8 mil cinemas.

O campeão de bilheterias de 2020, Bad Boys Para Sempre, estreou em 3,7 mil salas, arrecadando (só nos Estados Unidos) US$ 62 milhões. Tenet fez pouco mais de US$ 20 milhões na bilheterias. Mas com certeza vendeu muita pipoca e transmitiu COVID-19 para outros tantos espectadores.

Tenet deve chegar no Brasil ainda em outubro.

Alguns dos principais estúdios do mundo já desistiram de lançar qualquer outro grande filme em 2020. Disney puxou essa fila e parece não olhar para trás com qualquer arrependimento.

Do resto dos grandes lançamentos do ano, Mulher-Maravilha 1984 continua com data marcada para 25 de dezembro. Mas ninguém colocaria a mão no fogo de que essa data se manterá sem uma vacinação em massa.

De outubro até dezembro, durante praticamente 10 quintas-feiras de estreias, além de Tenet, você, brasileiro, terá a oportunidade de conferir a animação Trolls 2, a continuação “Bill & Ted Face the Music” e “Free Guy: Assumindo o Controle”, com Ryan Reynolds. Sem esquecer de Um Príncipe em Nova York 2. Enfim, produções imperdíveis e que você não poderia perder nas telas grandes dos cinemas. Sarcasmo à parte, “bons filmes” para todos vocês.

Veja seus filmes em casa

No Brasil, a média de novos casos de coronavírus ainda está perto de 27 mil por dia, com mais de 700 mortes diárias.

Só em Santos, são 20 mil casos desde o começo da epidemia, com uma média dia a dia de novos doentes de 179 casos. Uma curva de contaminação que desde setembro, só cresce.

No mesmo período, os casos de morte, só na cidade, foram de 568 para 641. Nesse exato momento que você está lendo essas linhas, 40 pessoas estão na UTI com COVID-19, com mais ou menos umas 80 internadas em leitos normais, também lutando por suas vidas.

Em uma sala de cinema com 150 lugares, “lotada” pelas imposições da portaria, comportaria 60 espectadores, devidamente paramentados com suas máscaras, temperaturas medidas e distanciamento estrutural dentro das salas. Ambientes devidamente fechados e sufocados com seus ares condicionados.

No mais otimista dos cenários, 30 dessas pessoas sem máscara comendo pipoca. Mantendo um otimismo ainda mais gigantesco, que apenas 10% dessas pessoas estejam contaminadas (6) e uma taxa de reprodução de infecção (Re) de 0,98 (do estado de São Paulo), talvez dessa sessão saiam mais 6 infectados com COVID-19.

Talvez nenhum desses morra. Talvez um parente deles fique doente apenas, e isso leve um vizinho, porteiro, entregador ou apenas pessoas sem sorte, a “herdar” o vírus e venha a falecer. Mas tudo bem, o primeiro vetor pelo menos conseguiu ver o novo filme do Christopher Nolan.

E atenção, isso não é um modelo matemático preciso, é apenas achismo. Ficamos por aqui torcendo para que nada disso aconteça em nenhuma sessão. Entretanto, posso estar errado também e minha torcida não permitir que tudo não dê errado “para o outro lado”.

É lógico também que essa pandemia foi um problema devastador para os donos de cinema e empresários do ramo. Ninguém nunca iria tirar isso deles, assim como qualquer amante de cinema torce por eles. Afinal, são peças importantes dessa cadeia que resulta no filme sendo exibido.

Talvez um serviço de entrega de pipoca pudesse ajudá-los nos tempos mais complicados, ou até a venda de vouchers e “promoções imperdíveis” pós-pandemia. Minha mente empreendedora não consegue pensar em soluções mágicas para esse ramo. Mas a conclusão de ser errado abrir as salas de cinema em Santos ou em qualquer lugar do mundo diante de uma curva ainda tão incisiva e taxas de morte tão exageradas, essa é fácil de se chegar.

Entrar em uma sala de cinema nesse momento é como uma roleta-russa. Talvez disparando contra sua própria cabeça e torcendo para a que a bala não esteja na agulha, mas o dedo continua no gatilho sendo apertado enquanto mira nas cabeças de quem não tem nada a ver com isso. Gente que também acha uma enorme estupidez aglomerar gente em uma sala fechada para ver Eddie Murphy voltando à Nova York, mas que talvez não sobreviva para ver os lançamentos de 2021.


Vinicius Carlos Vieira é editor do CinemAqui continua escrevendo sobre os mais recentes lançamentos de filmes no próprio CinemAqui, assim como também não parou de publicar os videos no canal do CinemAqui no YouTube, tudo isso em casa, sem sair para lugar nenhum.